Quaresma "perde a cabeça" após expulsão no dérbi de Istambul

O extremo português do Besiktas viu o cartão vermelho sete minutos depois de ter entrado em campo... e a reação não foi bonita

Ricardo Quaresma perdeu a cabeça esta quinta-feira no decorrer do dérbi de Istambul que opôs o Besiktas ao Fenerbahçe, a contar para as meias-finais da Taça da Turquia.

O internacional português entrou ao intervalo e sete minutos depois recebeu ordem de expulsão por ter dado uma cotovelada ao brasileiro Souza, médio do Fenerbahçe que já representou o FC Porto. O extremo teve depois uma reação intempestiva, tendo mesmo sido agarrado por colegas e alguns adversários quando tentava abordar um jogador do rival.

A partida, referente à primeira mão das meias-finais terminou com uma igualdade a duas bolas, tendo o Fenerbahçe terminado a partida reduzido a nove jogadores devido à expulsão de dois jogadores.

Pelo Besiktas, que jogou em casa, Pepe e Anderson Talisca foram titulares, sendo que o internacional português foi substituído aos 80 minutos, numa altura em que já tinha um cartão amarelo.

A segunda mão realiza-se a 17 de abril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.