Quando a data de nascimento causa polémica

Não miam, mas chamam- -lhes "gatos". É esse o nome por que são conhecidos, no Brasil, os jogadores que adulteram a idade, para se afirmarem mais facilmente no mundo da bola. E do ex-portista Leandro Lima ao campeão de sub- -20 Cao, o desporto-rei português já foi abalado por alguns casos. Nenhum tão grave quanto o dos 15 "gatos" da Nigéria sub-17.

O mais recente: Leandro Lima

O caso rebentou em Janeiro de 2008, quando o médio jogava no FC Porto. O brasileiro usava o nome de um familiar, Luiz Leandro Lima, nascido em 1987, quando era, na verdade, George Leandro Lima, nascido em 1985. Graças à falsificação do nome e da idade, o criativo "canarinho" afirmou-se nas camadas jovens da selecção brasileira (chegou a jogar no Mundial sub-20 de 2007) e garantiu a transferência para o FC Porto. Porém, a descoberta do fraude travou-lhe a ascensão. A Comissão Disciplinar da Liga suspendeu-o por três meses (e multou-o em 1250 euros) por ter falsificado dados na inscrição. E, a partir daí, deu-se a queda. Emprestado pelo FC Porto, Leandro Lima ainda passou por Vitória de Setúbal e Cruzeiro. Este Verão, como jogador livre, assinou pela União de Leiria, mas ainda não fez qualquer jogo, por falta do seu certificado internacional.

Cao: a história vai dar um livro

Campeão mundial de sub-20 em 1991, tal como Gil, Carlos Alberto Correia Fortes - ou Cao, como era conhecido - sempre viu a sua idade envolta em suspeitas. Mas a "bomba" só explodiu em 2002, quando o jornal Record revelou que o médio-defensivo não tinha nascido em 1972 mas em 1968. O que significava que se sagrara campeão de sub-20 com 24 anos. O caso só foi revelado no ocaso da carreira do futebolista - quando lhe foi retirada a nacionalidade portuguesa, devido às irregularidades. Então, Cao jogava no Felgueiras, após passagens por Salgueiros, Leça e Campomaiorense. Nem ele nem a Federação Portuguesa de Futebol sofreram sanções e o jogador só deixou o futebol em 2008/09, após "fazer uma perninha" no renascido Salgueiros 08. Agora, Cao trabalha em artes gráficas, treina a equipa sub-13 do Oeiras, e segundo revelou ao DN, está a preparar o lançamento de um livro em que conta a história da sua carreira - "sem falar em coisas mesquinhas, que não são importantes".

Nigéria e a polémica dos sub-17

É do futebol africano que vem o maior número dos casos de jogadores suspeitos de forjarem idades falsas. E isso deve-se, em grande parte, à Nigéria. Ainda nos anos 80, o país africano teve vários futebolistas das camadas jovens suspensos por terem falsificado as suas idades. E, devido a isso, até perdeu a organização do Mundial 1991... para Portugal. Já no ano passado, deu-se o maior escândalo. Antes de organizar o Mundial de sub-17 Federação Nigeriana de Futebol decidiu-se fazer ressonâncias magnéticas para determinar a idade dos jogadores. Resultado? 15 acabaram suspensos, por serem mais velhos que os documentos atestavam.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.