Patinador japonês Kei Sato é primeiro caso de doping em PyeongChang2018

Patinador de velocidade acusou positivo para acetalozamida, um produto diurético

O patinador de velocidade japonês Kei Sato, especialista em pista curta, é o primeiro caso de doping nos Jogos Olímpicos de inverno de PyeongChang2018, anunciou hoje o Tribunal Arbitral do Desporto (TAS).

"Kei Sato acusou positivo para acetalozamida, um produto diurético considerado mascarante, numa análise fora de competição", indicou o TAS, acrescentado que o atleta está "provisoriamente suspenso" e deixa a aldeia olímpica.

Saito, de 21 anos, deverá ser substituído hoje na estafeta dos 5.000 metros masculinos.

Entretanto, o patinador, que tinha sido testado em 04 de fevereiro, na aldeia olímpica, disse estar "extremamente chocado" com os resultados, referindo que nunca considerou o uso de doping.

"Nunca o considerei. Nunca usei esteroides anabolizantes, nunca tive necessidade de esconder", justificou o patinador, acrescentando que deixa a aldeia de forma voluntária para não perturbar os seus companheiros de equipa.

A acetalozamida é uma substância que pode ser usada no tratamento do glaucoma e em vertigens, mas pode também funcionar como agente mascarante do uso de outras substâncias proibidas.

O Tribunal Arbitral, habitualmente sediado em Lausana e deslocado para PyeongChang, por ocasião dos Jogos de inverno, que decorrem entre 09 e 25 de fevereiro, disse ainda que nenhum resultado nos Jogos foi afetado.

É a segunda vez que a instância jurídica desportiva se desloca por ocasião de uns Jogos, depois de o ter feito também nos Jogos Olímpicos de verão no Rio de Janeiro, em 2016.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.