PSP descarta constrangimentos no Clássico, em dia de autárquicas

A PSP considera que o jogo entre o Sporting e o FC Porto não será limitador para quem quiser votar, em dia de eleições autárquicas

O subintendente Pedro Pinho, responsável pelo policiamento do Sporting-FC Porto, rejeitou esta sexta-feira constrangimentos na segurança do jogo da I Liga de futebol, apesar de se tratar de uma "situação nova", por coincidir com a realização das eleições autárquicas.

"Estamos atentos a essa situação, para que quem quer exercer o direito de voto o possa fazer. Não será limitador, será uma condicionante, que foi tida em consideração no planeamento da segurança. É uma situação nova", reconheceu Pedro Pinho, subintendente da PSP, em conferência de imprensa.

O responsável pelo policiamento do 'clássico' observou que, apesar de a hora do início do jogo (19:15) ser posterior à do encerramento das urnas de voto (19:00, em Portugal continental e Madeira), a abertura das portas do estádio José Alvalade, em Lisboa, está marcada para as 17:15.

"Tudo será feito para que adeptos possam ver futebol e os cidadãos exercer o direito de voto", reforçou Pedro Pinho, assinalando que a zona de parqueamento dos autocarros que transportam os adeptos do FC Porto é perto de uma das assembleias de voto, mas a entrada faz-se do lado oposto.

A PSP, que não especificou o número de agentes policiais envolvidos nas operações de segurança, classificou de "risco elevado" o jogo em que estará em discussão a liderança do campeonato, para o qual espera mais de 49.500 espetadores, perto de 3.000 adeptos do FC Porto.

Pedro Pinho explicou que o acesso dos adeptos sportinguistas à Porta 1 do estádio do clube lisboeta será condicionada, por se tratar de uma zona de entrada exclusiva dos seguidores da equipa visitante, que serão acompanhados pela PSP desde a sua concentração, no Porto.

O jogo da oitava jornada da I Liga, entre o Sporting, segundo classificado, com 19 pontos, e o líder FC Porto, que contabiliza 21, realiza-se no domingo, no estádio José Alvalade, em Lisboa, com início às 19:15 horas e arbitragem de Carlos Xistra, da Associação de Futebol de Castelo Branco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".