PSP descarta constrangimentos no Clássico, em dia de autárquicas

A PSP considera que o jogo entre o Sporting e o FC Porto não será limitador para quem quiser votar, em dia de eleições autárquicas

O subintendente Pedro Pinho, responsável pelo policiamento do Sporting-FC Porto, rejeitou esta sexta-feira constrangimentos na segurança do jogo da I Liga de futebol, apesar de se tratar de uma "situação nova", por coincidir com a realização das eleições autárquicas.

"Estamos atentos a essa situação, para que quem quer exercer o direito de voto o possa fazer. Não será limitador, será uma condicionante, que foi tida em consideração no planeamento da segurança. É uma situação nova", reconheceu Pedro Pinho, subintendente da PSP, em conferência de imprensa.

O responsável pelo policiamento do 'clássico' observou que, apesar de a hora do início do jogo (19:15) ser posterior à do encerramento das urnas de voto (19:00, em Portugal continental e Madeira), a abertura das portas do estádio José Alvalade, em Lisboa, está marcada para as 17:15.

"Tudo será feito para que adeptos possam ver futebol e os cidadãos exercer o direito de voto", reforçou Pedro Pinho, assinalando que a zona de parqueamento dos autocarros que transportam os adeptos do FC Porto é perto de uma das assembleias de voto, mas a entrada faz-se do lado oposto.

A PSP, que não especificou o número de agentes policiais envolvidos nas operações de segurança, classificou de "risco elevado" o jogo em que estará em discussão a liderança do campeonato, para o qual espera mais de 49.500 espetadores, perto de 3.000 adeptos do FC Porto.

Pedro Pinho explicou que o acesso dos adeptos sportinguistas à Porta 1 do estádio do clube lisboeta será condicionada, por se tratar de uma zona de entrada exclusiva dos seguidores da equipa visitante, que serão acompanhados pela PSP desde a sua concentração, no Porto.

O jogo da oitava jornada da I Liga, entre o Sporting, segundo classificado, com 19 pontos, e o líder FC Porto, que contabiliza 21, realiza-se no domingo, no estádio José Alvalade, em Lisboa, com início às 19:15 horas e arbitragem de Carlos Xistra, da Associação de Futebol de Castelo Branco.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).