Prova do circuito mundial de qualificação vai animar as ondas em Santa Cruz

Etapa de categoria 1000 começa já hoje na Praia da Física, no concelho de Torres Vedras, com 29 portugueses entre os inscritos. São esperados 10 a 15 mil visitantes, até domingo, para colocar aquela zona "no mapa turístico" nacional

Santa Cruz recebe pela primeira vez o Santa Cruz Pro 2016, uma prova de surf que faz parte do circuito de qualificação mundial (WQS) e oferece aos jovens talentos portugueses e internacionais uma oportunidade de se mostrarem e virem a participar nas maiores provas a nível mundial. A prova é tutelada pela World Surf League (WSL) e terá lugar na praia da Física, em Santa Cruz, entre hoje e domingo.
Esta é uma prova de categoria 1000 a contar para o circuito WQS e conta com a presença de 29 portugueses nos cerca de 100 inscritos, entre os quais os jovens Luís Perloiro e Jácome Correia, que figuram no topo do circuito europeu pro júnior da WSL, o surfista Nicolau Von Rupp, um dos mais mediáticos em Portugal, Miguel Blanco, ex-vice-campeão nacional, e Tomás Fernandes, top 100 mundial. Ao forte contingente português junta-se ainda, por exemplo, o surfista da Ilha Reunião Jorgann Couzinet, acabado de chegar à final na Corunha, e ainda o basco Hodei Collazo, um dos melhores surfistas espanhóis da atualidade.
Carlos Bernardes, presidente da Câmara Municipal de Torres Vedras, explicou que Santa Cruz, na última década, tem vindo a ter um papel importante na promoção dos desportos de ondas, juntando agora o Santa Cruz Pro 2016 ao festival de ondas Ocean Spirit: "O evento Ocean Spirit é hoje uma referência nacional e internacional na dinamização das várias modalidades de surf e o Santa Cruz Pro 2016 é fundamental para colocar esta zona no mapa turístico e desportivo a nível nacional".
A organização da etapa do circuito internacional, que decorre ao mesmo tempo que o festival de ondas Ocean Spirit, é "uma iniciativa positiva quer na vertente desportiva quer a nível económico", afirmou Carlos Bernardes. "A cidade está bem preparada para receber todos os turistas e os participantes da prova". São esperados entre 10 a 15 mil visitantes ao longo dos vários dias na praia da Física.
O Santa Cruz Ocean Spirit, esse, parece já ter regresso marcado no próximo ano, entre 14 a 23 de Julho. Quanto à continuidade da realização de uma prova do circuito de qualificação mundial, Carlos Bernardes disse que, primeiro, há que fazer a avaliação da etapa deste ano e, depois, passar à decisão.
A apresentação da prova decorreu ao final da manhã de ontem e contou com a presença de alguns dos atletas portugueses que irão integrar a competição, como Nicolau von Rupp e Tomás Fernandes.
"Santa Cruz é uma praia bastante carismática. É uma das melhores para a prática do surf no Verão" destacou von Rupp, que, à semelhança de Tomás Fernandes, não tendo ranking para competir nas provas de maior pontuação (10000 pontos), integra este WQS de mais baixa pontuação (1000). "É uma boa oportunidade para nós", sublinhou Tomás Fernandes, acrescentando que "é mega importante ter uma etapa destas em Portugal."
Francisco Spínola, representante em Portugal da WSL, sublinhou, no entanto, a participação de atletas que aproveitam a prova para treinar para outras com maior cotação. Spínola lembrou ainda que o Santa Cruz Pro 2016 decorre na mesma altura do Ocean Spirit, que celebra este ano o seu décimo aniversário. "Nada melhor para assinalar estes dez anos do que ter uma prova da WSL nas águas de Santa Cruz" afirmou.
Francisco Cruz, surfista da casa, foi um dos convidados a participar e faz parte da lista dos 29 portugueses em prova na praia da Física. "Sinto-me feliz e é sempre uma honra participar numa prova em frente à nossa família e aos nossos amigos que certamente vão estar na praia da Física a assistir e dar-me apoio. É um orgulho", explicou.
"Ao contrário da praia de Peniche e da praia do Guincho, a praia da Física é mais suscetível às ondas e isso é bom para a prova", afirmou o surfista.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.