Protesto palestiniano cancela jogo da Argentina em Israel

Manifestantes estiveram no treino da seleção sul-americana exibindo bandeiras da Palestina e camisolas ensanguentadas

O jogo particular entre Israel e a Argentina, marcado para sábado em Jerusalém, foi cancelado a pedido dos jogadores argentinos, que receavam não estar reunidas as condições de segurança necessárias.

A decisão foi tomada depois de no treino desta terça-feira, realizado no centro de treinos do Barcelona, vários manifestantes defensores da causa palestiniana protestaram contra a realização dessa partida de preparação para o Mundial, exibido bandeiras da Palestina, mas também camisolas da seleção argentina tingidas de vermelho, simbolizando sangue.

Já no dia 24 de maio, o Comité Argentino de Solidariedade com o Povo Palestiniano tinha feito um protesto junto da sede da federação argentina (AFA) onde exigiu o cancelamento da partida em Israel, que servia para assinalar os 70 anos da criação do estado de Israel. Esses manifestantes dirigiram-se mesmo a Messi para que não jogasse.

Segundo o jornal espanhol AS, os jogadores reuniram-se com o presidente da AFA, Claudio Tapia, e explicaram que tinham receio de haver falta de segurança durante o jogo e em redor do estádio onde se realizaria a partida. A AFA acabou por aceder às pretensões dos jogadores, pelo que o selecionador Jorge Sampaoli pretende agora agendar uma nova partida de preparação, mas em Barcelona.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.