Protesto palestiniano cancela jogo da Argentina em Israel

Manifestantes estiveram no treino da seleção sul-americana exibindo bandeiras da Palestina e camisolas ensanguentadas

O jogo particular entre Israel e a Argentina, marcado para sábado em Jerusalém, foi cancelado a pedido dos jogadores argentinos, que receavam não estar reunidas as condições de segurança necessárias.

A decisão foi tomada depois de no treino desta terça-feira, realizado no centro de treinos do Barcelona, vários manifestantes defensores da causa palestiniana protestaram contra a realização dessa partida de preparação para o Mundial, exibido bandeiras da Palestina, mas também camisolas da seleção argentina tingidas de vermelho, simbolizando sangue.

Já no dia 24 de maio, o Comité Argentino de Solidariedade com o Povo Palestiniano tinha feito um protesto junto da sede da federação argentina (AFA) onde exigiu o cancelamento da partida em Israel, que servia para assinalar os 70 anos da criação do estado de Israel. Esses manifestantes dirigiram-se mesmo a Messi para que não jogasse.

Segundo o jornal espanhol AS, os jogadores reuniram-se com o presidente da AFA, Claudio Tapia, e explicaram que tinham receio de haver falta de segurança durante o jogo e em redor do estádio onde se realizaria a partida. A AFA acabou por aceder às pretensões dos jogadores, pelo que o selecionador Jorge Sampaoli pretende agora agendar uma nova partida de preparação, mas em Barcelona.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.