Programa da BTV vale mais de seis mil euros de multa

O Conselho de Disciplina aplicou ainda uma suspensão de 22 dias ao diretor de comunicação do Benfica

O Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol decidiu aplicar uma multa de 6120 euros ao Benfica devido ao programa "Chama Imensa" da BTV, que no dia 20 de novembro denunciou uma alegada nova estrutura daquilo que apelidou "novo Apito Dourado".

Os encarnados viram ainda o seu diretor de comunicação, Luís Bernardo, ser suspenso por 22 dias, acrescido de uma multa de 1377 euros, por causa de um twit em que denunciou alegadas ligações entre Hernâni Fernandes, funcionário do Sporting, e o árbitro Hugo Miguel, que arbitrou o dérbi disputado a 3 de janeiro no Estádio da Luz. O Benfica vai entretanto recorrer deste castigo para o Tribunal Arbitral do Desporto.

O CD decidiu ainda aplicar uma multa de 5738 euros ao Sporting de Braga por "eventuais agressões a agente da força de segurança pública" no exterior do estádio à margem do dérbi com o V. Guimarães.

Já o presidente do Belenenses, Rui Pedro Soares, foi suspenso por 45 dias e multado em 2900 euros por comentários sobre a arbitragem no final do jogo com o Boavista, relativo à 17ª jornada da Liga.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.