Aberto concurso para delegados. Proença quer "idoneidade e rigor"

O presidente da Liga portuguesa de Futebol Profissional, Pedro Proença, afirmou hoje que o organismo tem investido na qualificação dos delegados, para garantir "idoneidade e rigor", a propósito da abertura do novo concurso para delegacias nas competições.

A LPFP abriu hoje concurso para o seu quadro de delegados com vista à temporada 2017/18, que será constituído 38 elementos mais oito estagiários.

Em declarações à Agência Lusa, o dirigente assegurou que "a atual direção da Liga tem investido na qualificação dos delegados, com várias ações de formação anuais, assim como na implementação de critérios de avaliação e desempenho dos mesmos, a exemplo das melhores práticas das ligas europeias".

"Naturalmente, são critérios que prevalecem no nosso Plano de Recrutamento e Formação, a que este concurso está associado e, só assim, se garantem a idoneidade e o rigor exigidos a estes agentes desportivos, assim como a integridade das competições", disse.

São responsabilidades dos delegados, entre outras, a facilitação das relações entre os vários agentes desportivos na organização de um jogo, nomeadamente as forças de segurança e os Media, garantir as condições legais e regulamentares para o mesmo efeito e reportar à Liga toda a informação prevista e considerada relevante, assim como a documentação própria do jogo.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.