Primeiro 'duelo português' entre Évora e Pichardo vai ser em Madrid

O primeiro confronto entre Nelson Évora e Pedro Pablo Pichardo, após este se ter naturalizado português, vai acontecer a 8 de fevereiro no 'meeeting' de atletismo de pista coberta de Madrid, cuja lista de inscritos foi hoje anunciada.

Os dois portugueses são os nomes mais fortes do concurso de triplo salto, antecipando-se assim o primeiro embate do ano entre os saltadores do Sporting e Benfica, que só deveria acontecer nos Campeonatos de Portugal, no fim de semana seguinte, ou mesmo no Nacional de Clubes, marcado para o outro.

Évora e Pichardo defrontam-se pela oitava vez, sendo que nas sete anteriores ganhou o saltador que então competia com a camisola de Cuba, o país onde nasceu.

Pichardo é quem tem a melhor marca pessoal entre os inscritos para Madrid, com 18,08 metros, o que o coloca como o quarto mundial de todos os tempos. Évora tem 17,74, marca que lhe valeu ser campeão mundial em 2007, um ano antes de ser campeão olímpico.

Outro ex-cubano em prova será Alexis Copello, agora do Azerbeijão (17,68). De Cuba, virão Andy Diaz (17,40) e Cristian Napoles (17,27)

Completam o quadro o espanhol Pablo Torrijos (17,04) o sul-africano Godfrey Mokoena (17,35) e mais quatro atletas com marcas menos boas.

Em Madrid, estará outro português, Emanuel Rolim, nos 1.500 metros, enquanto que a grande figura do 'meeting' é a russa Maria Lasitskene, que esta época já saltou 2,04 em altura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).