Primeiro 'duelo português' entre Évora e Pichardo vai ser em Madrid

O primeiro confronto entre Nelson Évora e Pedro Pablo Pichardo, após este se ter naturalizado português, vai acontecer a 8 de fevereiro no 'meeeting' de atletismo de pista coberta de Madrid, cuja lista de inscritos foi hoje anunciada.

Os dois portugueses são os nomes mais fortes do concurso de triplo salto, antecipando-se assim o primeiro embate do ano entre os saltadores do Sporting e Benfica, que só deveria acontecer nos Campeonatos de Portugal, no fim de semana seguinte, ou mesmo no Nacional de Clubes, marcado para o outro.

Évora e Pichardo defrontam-se pela oitava vez, sendo que nas sete anteriores ganhou o saltador que então competia com a camisola de Cuba, o país onde nasceu.

Pichardo é quem tem a melhor marca pessoal entre os inscritos para Madrid, com 18,08 metros, o que o coloca como o quarto mundial de todos os tempos. Évora tem 17,74, marca que lhe valeu ser campeão mundial em 2007, um ano antes de ser campeão olímpico.

Outro ex-cubano em prova será Alexis Copello, agora do Azerbeijão (17,68). De Cuba, virão Andy Diaz (17,40) e Cristian Napoles (17,27)

Completam o quadro o espanhol Pablo Torrijos (17,04) o sul-africano Godfrey Mokoena (17,35) e mais quatro atletas com marcas menos boas.

Em Madrid, estará outro português, Emanuel Rolim, nos 1.500 metros, enquanto que a grande figura do 'meeting' é a russa Maria Lasitskene, que esta época já saltou 2,04 em altura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.