Presidente do Marítimo: "Nem quero ouvir falar de malas"

Em declarações reproduzidas pelo Record, Carlos Pereira recusa incentivos para o jogo com o Sporting. Em causa a luta pelo segundo lugar entre leões e Benfica

Já sem hipóteses matemáticas de assegurar o apuramento para a Liga Europa, o Marítimo vai encerrar o campeonato com uma receção ao Sporting, que precisa de fazer igual ou melhor resultado do que o Benfica frente ao Moreirense para segurar o segundo lugar e consequente qualificação para a terceira pré-eliminatória da Liga Europa. Embora os insulares joguem apenas pela honra, o seu presidente promete seriedade.

"Já andam conversas no ar, como aquela atordoada do Futre, que não lhe fica bem, mas todos conhecemos a forma como se expressa e a vontade de adivinhar as coisas. Posso garantir que aqui não chegou, nem vai chegar nenhuma mala. Nem quero ouvir falar em malas. Temos um grande objetivo, que é terminar a Liga em beleza na nossa fortaleza, pois a última imagem é a que fica", afirmou Carlos Pereira, em declarações reproduzidas pelo Record.

"Está em causa o segundo lugar da Liga, que vale milhões, mas certamente que valerá também milhões de visualizações e observações. Os nossos jogadores vão estar muito focados pela mediatização do jogo, que é uma monta para eles", acrescentou, repudiando as suspeitas. "Uns para intimidar e outros para galvanizar. Temos sempre uns contra os outros, mas os nossos profissionais são dignos, sérios e vão apenas fazer o seu trabalho. O incentivo é estar muita gente do lado do Marítimo. Se juntarmos os benfiquistas aos maritimistas, serão muitos mais os que querem a nossa vitória."

Ler mais

Exclusivos