Presidente do Comité Olímpico do Brasil detido

Nuzman foi detido por alegada participação na compra de votos com vista à eleição do Rio de Janeiro para sede dos Jogos Olímpicos de 2016

O presidente do Comité Olímpico do Brasil (COB), Carlos Arthur Nuzman, foi hoje detido por alegada participação na compra de votos com vista à eleição do Rio de Janeiro para sede dos Jogos Olímpicos de 2016.

A polícia brasileira indicou, em comunicado, que o presidente do COB, de 75 anos, enfrenta acusações de "corrupção, branqueamento de capitais e participação em organização criminosa".

Nuzman, que foi também presidente do comité organizador dos Jogos Rio2016, foi detido em casa, no Leblon, na zona sul da cidade, no âmbito da operação designada Unfair Play, ramificação da Lava Jato, noticia hoje a comunicação social brasileira.

Em setembro, as autoridades judiciais pediram o arresto de mil milhões de reais (271,2 milhões de euros ao câmbio atual) do património do empresário Arthur Cesar Soares de Menezes Filho, sódio de Nuzman, por implicação na compra votos no processo de eleição do Rio de Janeiro.

De acordo com a investigação, o presidente do COB, de 75 anos, integrava "um esquema altamente sofisticado e de âmbito internacional", o que levou as autoridades brasileiras a pedirem a cooperação de outros países, designadamente, Antígua e Barbuda, França, Estados Unidos e Inglaterra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.