UCI espera decisão sobre doping de Froome antes do Tour

O presidente da União Ciclista Internacional (UCI) espera que o caso do controlo antidoping positivo do britânico Chris Froome durante a Volta a Espanha, se resolva antes do início do Tour, em 07 de julho.

"Não acredito que tenhamos uma decisão antes do Giro, mas espero que haja antes do Tour (...). Já foram reunidos elementos suficientes", afirmou David Lappartiente, em entrevista ao diário francês L'Équipe.

O presidente da UCI explicou que a resolução do caso tem sido adiada devido à batalha jurídica levada a cabo pelo ciclista da Sky.

"Acreditei que o caso estaria concluído antes do início das clássicas, mas o processo é complexo, Froome tem mais meios do que outros, e tem bons advogados como nós", disse.

Lappartient considerou "insustentável" a situação atual, que permite que Froome - que teve um controlo positivo por salbutamol na Vuelta -- continue a competir até haja uma decisão sobre o caso.

Froome venceu a edição de 2017 da Vuelta, durante a qual teve um controlo antidoping positivo, após a 18.ª etapa da Vuelta, em 07 de setembro, decorrente de uma análise à urina que acusou a presença do broncodilatador salbutamol em níveis superiores aos permitidos pela Agência Mundial Antidopagem (AMA).

A defesa de Froome, vencedor da Volta a França em 2013, 2015, 2016 e 2017, alega que o britânico sofreu uma disfunção renal, o que explica o excesso de salbutamol detetado.

Pouco depois da Vuelta, em 20 de setembro, Froome conquistou a medalha de bronze na prova de contrarrelógio individual dos Mundiais de estrada, em Bergen, na Noruega, deixando o português Nelson Oliveira (Movistar) na quarta posição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.