Adeus França. Sede europeia da Liga Mundial muda-se para Lisboa

Anúncio foi feito esta sexta-feira. Sede deixa França depois de 30 anos

A sede europeia da Liga Mundial de Surf (WSL) vai ser instalada em Lisboa, naquele que será mais um passo para "posicionar Portugal como principal país de surf na Europa", confirmou esta sexta-feira o representante luso da estrutura, Francisco Spínola.

"Lisboa e Portugal vão ser a montra do surf europeu para o mundo", afirmou Francisco Spínola, em declarações à Lusa, confirmando a mudança da sede para a capital portuguesa, depois de quase 30 anos em solo francês.

De acordo com o responsável, esta mudança decorre da organização nas ondas portuguesas das principais provas da WSL, sejam etapas dos circuitos mundiais masculinos, femininos e de ondas gigantes, assim como dos Mundiais de juniores, mas também da proximidade das praias.

"Além de todas as acessibilidades de uma capital europeia, Lisboa oferece surf a meia hora do centro e condições para a prática da modalidade durante todo o ano", frisou, acrescentando que a estrutura vai ser instalada, numa primeira fase, em Lisboa, com cerca de 10 a 12 trabalhadores.

Portugal é o país europeu com mais provas da WSL, organizando, em 2018, uma etapa do circuito mundial (MEO Rip Curl Pro Portugal, em Peniche), três do de qualificação (Caparica Pro, Pro Santa Cruz e EDP Billabong Pro Ericeira) e uma de ondas gigantes (Nazaré Challenge).

Segundo Spínola, a estrutura a instalar em Portugal vai ficar como "centro decisório" do surf na Europa, mas também em África e no Médio Oriente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.