Portugal perde com campeã França nos sub-19 femininos

A seleção saiu derrotada esta quinta-feira (3-1) frente à seleção gaulesa, campeã em título, na primeira jornada do grupo 3 da Ronda de Elite de apuramento para o Euro2017 de sub-19 de futebol feminino

Portugal perdeu esta quinta-feira 3-1 com a França, campeã em título, na primeira jornada do grupo 3 da Ronda de Elite de apuramento para o Euro2017 de sub-19 de futebol feminino, jogo no qual chegou a estar em vantagem.

A tentar chegar pela primeira vez a um europeu desde 2012, a equipa das 'quinas' chegou a assustar a França, com um golo de Daniela Silva, aos 56 minutos, naquele que foi o primeiro tento de Portugal frente à França em quatro encontros.

Num jogo disputado em Apeldoorn, Holanda, a resposta gaulesa acabou por vir do banco, com Lina Boussaha a empatar aos 70 minutos, três minutos depois de ser lançada pelo treinador francês.

Também vinda do banco, Héléne Fercocq colocou a França em vantagem aos 80 minutos, cabendo a Elisa de Almeida fazer o resultado final, aos 87.

A primeira jornada do grupo 3 fica hoje completa com a anfitriã Holanda e a Eslovénia.

Portugal vai defrontar a Holanda no sábado, às 15:00, fechando a Ronda de Elite três dias depois, às 18:00, disputando-se os dois encontros em Apeldoorn.

Jogo no estádio Robur et Velocitas, em Apeldoorn (Holanda).

Marcadoras:

0-1, Daniela Silva, 56 minutos.

1-1, Lina Boussaha, 70.

2-1, Héléne Fercocq, 80.

3-1, Elisa de Almeida, 87.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.