Hassan avisa Portugal para os perigos da seleção de Marrocos

O avançado do Sp. Braga destacou o valor de Cristiano Ronaldo, na seleção nacional: "Toda a gente sabe que deve ter um cuidado especial, pois é um joagdor de alto nível. Em qualquer jogo ele dá a volta. É fenomenal, um jogador espetacular."

O internacional egípcio Hassan, futebolista do Sp. Braga, avisa Portugal que Marrocos será um adversário complicado no grupo B do Mundial2018 da Rússia, que inclui ainda Espanha e Irão.

"Jogámos contra Marrocos na última Taça das Nações Africanas. Tem boa seleção, bom treinador e jogadores. O jogo de Portugal não vai ser nada fácil, como os outros jogos. Marrocos tem uma seleção forte, mas Portugal também tem uma equipa muito forte", avisou o internacional marroquino.

À partida para a Suíça, para se juntar à equipa nacional do Egito, que defronta Portugal na sexta-feira em Zurique, em desafio particular de preparação mútua para o Mundial, Hassan considera que ambas as seleções vão ter um bom teste em solo helvético.

"É um jogo muito difícil contra uma seleção muito forte, que é campeã da Europa e tem futebolistas com muita qualidade. E, claro, tem o melhor do mundo, Cristiano Ronaldo. Mas vamos concentrar-nos nas nossas tarefas e tentar dar o máximo para fazermos um bom jogo e ganhar", disse.

Em Portugal, Hassan destacou o valor de Cristiano Ronaldo: "Toda a gente sabe que deve ter um cuidado especial, pois é um joagdor de alto nível. Em qualquer jogo ele dá a volta. É fenomenal, um jogador espetacular."

Em contrapartida, Mohamed Salah, avançado do Liverpool, é a maior estrela da sua seleção, "um excelente jogador e pessoa, que tem capacidade para fazer um grande campeonato, ajudando o Egito a fazer um bom Mundial".

"O futebol é o momento. Esteve sempre muito bem por todos os clubes que passou e teve muito mérito em ir para o Liverpool, onde está a fazer uma grande época. Merece", completou.

Hassan fala de um país em êxtase com a presença no Mundial -- é apenas a terceira vez, depois de 1934 e 1990 -- e agora está na hora de a seleção retribuir a um povo que "gosta muito de futebol, fanático e com paixão".

"Estivemos muito tempo sem ir ao mundial, foram 28 anos. E na CAN tivemos algum tempo que não estivemos tão bem e fomos finalistas (2017). Estamos em bom momento, temos boa seleção e um jogar fantástico que ajuda muito", acrescentou.

O atleta, que espera ser um dos convocados por Héctor Cúper, disse que o treinador argentino tem feito um excelente trabalho, dando à seleção a dimensão que justifica os seus sete títulos continentais, feito sem paralelo em África.

"Ele conseguiu dar a volta. Fez uma grande seleção, um grande grupo e, para já, estamos a fazer um grande trabalho com ele", completou.

Hassan deixou ainda a convicção de que em breve verá o seu companheiro de equipa Paulinho chegar à equipa das 'quinas', "um atleta fantástico, que trabalha duro e dá sempre o máximo nos treinos e jogos, com muita qualidade e capacidade para chegar à seleção".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.