Portugal é campeão europeu de surf

Mais um dia de ouro para a modalidade, num ano de 2017 impressionante. A juntar ao título coletivo, que Portugal já vencera em 2011, a seleção nacional ganhou quatro dos cinco títulos individuais que estavam em disputa

Portugal sagrou-se ontem campeão europeu de surf na praia de Bore, na Noruega. A seleção nacional juntou quatro dos cinco títulos individuais à conquista coletiva: Daniel Fonseca e Teresa Padrela, esta de apenas 16 anos, no bodyboard; Carol Henrique, no surf e João Dantas, no longboard. À equipa das quinas só faltou o triunfo no surf masculino, mas esteve perto, pois Tomás e Eduardo Fernandes foram medalhas de prata e bronze, respetivamente.

David Raimundo, selecionador nacional, recordou que "Portugal conseguiu trazer de volta o título de campeão da Europa, que escapava desde 2011". Já Nuno Trovão, selecionador nacional de bodyboard, salientou que foi "um grande dia para o bodyboard português, hoje em dia dos melhores do mundo".

Este ano de 2017 tem sido absolutamente fantástico para o surf português, com Carol Henriques a sagrar-se campeã europeia de surf, Joana Schenker campeã mundial de bodyboard e Frederico Morais a mostrar grande nível no circuito mundial de surf.

João Aranha, presidente da Federação Portuguesa de Surf, não ficou surpreendido com a vitória no Eurosurf, embora, em declarações ao DN, reconheça que "talvez não fosse expectável somar tantos triunfos individuais, pois a competição era extremamente forte", ficando já a promessa de que "da próxima vez, Portugal irá tentar fazer o pleno de vitórias".

Na opinião de João Aranha, este é o melhor momento de sempre do surf nacional, "pelo menos os resultados assim o indicam". Para além das conquistas já referidas, lembra "os grandes resultados da seleção nos últimos três anos, como os títulos de vice-campeões do mundo em seniores e de campeão europeu de juniores".

O presidente da Federação Portuguesa de Surf explica os magníficos resultados com o trabalho realizado pela sua direção, eleita em 2013 e que "tem permitido a execução de uma estratégia clara". No entanto, João Aranha garante que não irá haver uma acomodação, avisando que é preciso continuar a trabalhar da mesma forma. "É sempre possível melhorar e posso dizer que a nível de investimentos ainda há muito a fazer. Temos sempre de fazer uma aposta muito criteriosa nas provas em que participamos, escolhendo aquelas em que pensamos que os resultados podem vir a ser os melhores. O ideal seria haver dinheiro para irmos a todas as provas...", sublinha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.