Portugal é 113.º nos 15 km de esqui de fundo

Kequyen Lam terminou a prova nos Jogos Olímpicos de Inverno na Coreia do Sul em 54:34.1 minutos

O atleta português Kequyen Lam terminou em 113.º lugar a prova de 15 km de esqui de fundo (Cross Country) nos Jogos Olímpicos de Inverno, em PyeongChang, na Coreia do Sul.

Kequyen Lam, que foi o porta-estandarte de Portugal, completou a prova em 54:34.1 minutos, a mais de 20 minutos do vencedor, o suíço Dario Cologna (33:43.9).

A medalha de prata foi para o norueguês Simen Hegstad Kruger (34:02.2) e a de bronze para o russo Denis Spitsov (34:06.9).

O português foi 113.º em 116 atletas, ficando à frente dos representantes do Tonga, Colômbia e México.

O farmacêutico, de 38 anos, nascido em Macau e residente no Canadá, estreou-se nos Jogos Olímpicos de Inverno. Já tinha tentado a qualificação para Sochi2014, quando era snowboarder, mas uma fratura no ombro durante um estágio impediu-o de disputar as últimas cinco etapas de apuramento.

O outro atleta português nestes Jogos Olímpicos de Inverno é Arthur Hanse, de 24 anos, que vai disputar as provas de slalom gigante e slalom, em 18 e 22 de fevereiro, respetivamente, quatro anos depois de, na estreia olímpica, não ter terminado ambas as provas de esqui alpino.

Dario Cologna conquistou a medalha de ouro nesta disciplina pela segunda vez, depois de o ter feito em 2010. Esta é a quarta medalha de ouro olímpica de Dario Cologna, que em 2014 se sagrou também campeão de 15 km clássico e 30 km esquiatlo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.