Portugal conquista Mundialito de futebol de praia na despedida de Alan

A Seleção Nacional venceu Espanha por 2-1 nas grandes penalidades na Costa da Caparica

Portugal conquistou hoje o Mundialito de futebol de praia, na Costa de Caparica, em Almada, ao vencer a Espanha por 2-1 nas grandes penalidades, depois da igualdade 3-3, num torneio marcado pela despedida de Alan.

Os golos do encontro surgiram em ritmo frenético no terceiro período, em que Portugal esteve a vencer por 2-0, com tentos de Bê Martins e Jordan, mas a Espanha passou para a frente com três pontapés de 'bicicleta', dois de Eduard Molina e um de Llorenç.

O golo que permitiu a Portugal levar o jogo para o prolongamento foi obtido por Madjer, com um remate de primeira a fazer a bola passar por entre as pernas do guarda-redes Raul Navarro, que tinha substituído na baliza de Espanha o expulso Dona.

Com o prolongamento a chegar ao fim sem que nenhuma das seleções tivesse conseguido marcar, a decisão da atribuição do troféu foi remetida no desempate através de grandes penalidades.

Alan, de 42 anos, despediu-se da seleção portuguesa de futebol de praia no torneio que o lançou, há 20 anos

O guarda-redes português Andrade defendeu a primeira tentativa de conversão, por António, após o que Madjer colocou Portugal em vantagem com um remate indefensável.

Llorenç devolveu a igualdade a 1-1, Rui Coimbra voltou a colocar a seleção das 'quinas' em vantagem, por 2-1, e a conquista do Mundialito por parte de Portugal, sexto no seu palmarés, surgiu na terceira grande penalidade falhada por Chiky.

Alan, de 42 anos, despediu-se da seleção portuguesa de futebol de praia no torneio que o lançou, há 20 anos, num momento emotivo, no final do encontro, partilhado por todos os colegas de equipa e em especial Madjer, que despontou na mesma altura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.