Portugal bate Ucrânia e marca duelo com Azerbaijão

Seleção já tinha garantido apuramento para os "quartos" do Europeu, mas triunfo de ontem (5-3) garantiu primeiro lugar do grupo

A seleção nacional de futsal venceu ontem a Ucrânia por 5-3, garantindo o primeiro lugar do Grupo C do Europeu. Foi assim a cereja no topo do bolo, isto depois dos quartos de final já estarem assegurados antes do apito inicial da partida. A vitória permite ainda a Portugal evitar a Espanha na próxima fase, marcando duelo com o Azerbaijão, que perdeu com os espanhóis pela margem mínima (1-0).

Frente à Ucrânia, Portugal entrou muito bem no jogo e logo aos três minutos Bruno Coelho inaugurou o marcador, sem que o adversário conseguisse responder à altura. Aliás, Portugal esteve sempre por cima e, aos 7", o mesmo Bruno Coelho acertou na barra da baliza de Yevgen Ivanyak. O ferro, aliás, fez mesmo com que a turma das quinas não dilatasse mais cedo o marcador, dado que Pany também acertou no poste três minutos volvidos.

Portugal estava bem, criava muito perigo e o segundo golo adivinhava-se. Tiago Brito haveria de consegui-lo, aos 13", após um grande gesto técnico. O mesmo jogador, aliás, esteve perto do terceiro momentos depois, com um remate de letra, ao estilo do colega Ricardinho, ontem mais apagado, mas o guardião da Ucrânia conseguiu evitar com uma enorme defesa.

A segunda parte, contudo, foi diferente. A perder por 2-0, e sabendo que só a vitória daria o primeiro lugar, a Ucrânia entrou mais forte. Portugal preferiu controlar o resultado, com dois golos de vantagem, e viu o adversário a criar várias situações de perigo.

O guarda-redes Bebé ainda conseguiu evitar algumas situações de jogo, mas nada pôde fazer ao remate de Volodymir Razuvanov, aos 28 minutos.A equipa desorientou-se um pouco com o 2-1 e quatro minutos depois Taras Korolyshyn conseguiria o empate.

O 2-2 acabou, no entanto, por acordar a equipa nacional, que conseguiu fazer unsoito minutos finais de grande nível e sem dar hipóteses aos ucranianos. Aos 34" Pedro Cary fez o 3-2, num remate ao ângulo direito, golo esse que levou a Ucrânia a passar a jogar com um guarda-redes avançado, algo que Nilson haveria de aproveitar para fazer o 4-2 com um remate antes do meio-campo, aos 35".

O quinto também não demorou muito tempo e o inevitável Ricardinho haveria de fazer também o gosto ao pé, no minuto seguinte, após grande jogada de André Coelho, que depois assistiu o melhor do mundo.

Já perto do final a Ucrânia haveria de conseguir reduzir, por intermédio de Shoturma, mas os três pontos não mais estiveram em causa para os comandados de Jorge Braz, que se manifestou confiante para os quartos de final da competição. "Quero é recuperar os meus jogadores, recuperá-los bem, isso é o mais importante. Vamos olhar para o nosso percurso. Quem se quer atirar às medalhas não pode estar preocupado com o próximo adversário", salientou o treinador português.

A seleção do Azerbaijão será então o adversário nos quartos-de-final, jogo marcado para amanhã, pelas 17.00. Eis os outros jogos: Eslovénia-Rússia, Sérvia-Cazaquistão e Ucrânia-Espanha.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.