Porto e Gaia acolhem etapa da Red Bull Air Race

Evento está marcado para os dias 2 e 3 de setembro

A competição aérea Red Bull Air Race regressa ao Porto e a Vila Nova de Gaia a 02 e 03 de setembro, cidades que acolheram o evento durante três anos (entre 2007 e 2009), foi hoje anunciado.

A informação consta de uma nota de imprensa distribuída aos jornalistas à entrada para a conferência de imprensa convocada para as câmaras do Porto e Vila Nova de Gaia e o Turismo do Porto e Norte apresentarem "um grande evento internacional a ter lugar nas duas cidades este ano".

Dez anos depois da estreia no rio Douro, a competição internacional regressa ao Porto e a Gaia com "a sexta e antepenúltima etapa do calendário" de 2017, acrescenta a mesma nota.

A Red Bull Air Race é uma corrida em que as aeronaves de alta velocidade e baixa altitude, que se deslocam entre pilares insufláveis.

Durante três anos consecutivos, uma etapa do campeonato internacional realizou-se no Porto e em Gaia, sobre o rio Douro, entre o viaduto de Massarelos e a Ponte Luiz I.

Em dezembro de 2009, o Turismo de Lisboa assinou um acordo com a Red Bull para a realização de uma prova sobre o Tejo, mas a competição acabaria por nunca chegar à capital ou regressar ao rio Douro.

Segundo o documento a que a Lusa teve acesso na altura, o acordo foi feito pelo Turismo de Lisboa, em representação dos municípios de Lisboa e Oeiras, que ficariam obrigados a financiar em 3,5 milhões de euros a prova, a realizar na área "entre a Torre de Belém e a Ponte 25 de Abril em 2010".

O então presidente da Câmara do Porto, Rui Rio (PSD), alertou na ocasião que, enquanto o evento sobrevoou o rio Douro, as autarquias do Porto e de Gaia pagavam 800 mil euros (400 mil euros cada) por ele.

Em setembro de 2009, de acordo com informações divulgadas na altura pelas autarquias do Porto e de Gaia, cerca de 720 mil espetadores juntaram-se nas margens do Douro para assistir àquela que é considerada a "Fórmula 1 dos Céus".

A 17 de março de 2010, o então vice-presidente da Câmara de Gaia, Marco António Costa (PSD), anunciou que a corrida de aviões ia regressar ao Douro, passando a realizar-se alternadamente com Lisboa, de acordo com negociações que estavam a ser ultimadas.

A 25 de março, o então presidente da Câmara de Gaia, Luís Filipe Menezes (PSD), alertou ser "impossível" cumprir a proposta feita pela organização da Red Bull Air Race para deslocar a prova para a foz do Douro.

De acordo com Menezes, a mudança levaria a corrida para a zona mais poente do estuário do Douro, que tinha sido "recentemente classificada como a primeira reserva ambiental municipal do país", e colocaria em perigo uma escarpa de Gaia onde existem "sérios riscos de derrocada".

Em abril de 2010, foi divulgado que a Red Bull aceitava manter a prova aérea com o mesmo trajeto dos últimos três anos, mas, a 07 de julho, a etapa prevista para o Douro foi cancelada pela organização.

A Câmara de Gaia disse ter sido informada pela Red Bull Air Race do cancelamento da prova em Portugal, evocando motivos de natureza económico-financeira ligados à crise internacional".

Em comunicado, a Red Bull Air Race justificou o cancelamento da prova que se ia realizar em setembro, com o "inesperado atraso no processo que tinha como objetivo alcançar um novo acordo para o destino da corrida".

A Câmara do Porto lamentou a decisão que disse ter "apanhado de surpresa todas as entidades envolvidas, sobretudo depois da disponibilidade para o necessário esforço financeiro".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.