Polícia morre em confrontos de adeptos do Atlético Bilbao e do Spartak

Agente entrou em paragem cardiorrespiratória durante intervenção

Um agente da polícia de intervenção do País Basco morreu esta quinta-feira durante intervenção em confrontos entre adeptos do Atlético Bilbao e o Spartak de Moscovo.

Os confrontos ocorreram após a chegada dos "ultras" russos à zona do campo do Atlético, antes do início do jogo. Gerou-se uma verdadeira batalha campal com adeptos da equipa da casa, que incluiu lançamento de copos de vidro, garrafas e bolas de golfe dos dois lados.

A polícia interveio para tentar pôr fim aos desacatos e foi durante essa operação que um agente entrou em paragem cardíaca, por razão que, segundo o El Mundo, são ainda desconhecidas.

O polícia foi levado ainda com sinais de vida para o hospital, mas já não foi possível estabilizá-lo.

Atlético Bilbao e Spartak de Moscovo jogaram esta quinta-feira para a Liga Europa, tendo os visitantes vencido por 2-1.

A Federação Espanhola de Futebol recomendou depois que em todos os estádios, no próximo fim de semana, seja observado um minuto de silêncio em memória do polícia basco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.