Imparável Salah faz quatro ao Watford

Liverpool subiu provisoriamente ao terceiro lugar da liga inglesa de futebol após receber e golear o antigo clube de Marco Silva por 5-0. Egípcio já leva 28 golos na atual edição da Premier League.

O Liverpool subiu este sábado provisoriamente ao terceiro lugar da liga inglesa de futebol após receber e golear o Watford, por 5-0, com quatro golos do avançado egípcio Mohamed Salah, na 31.ª jornada da prova.

Em Anfield Road, o jogador de 25 anos não só fez um 'poker', como também esteve no lance do terceiro tento da sua equipa, marcado pelo brasileiro Roberto Firmino, aos 49 minutos.

Foi uma noite memorável para Salah, que marcou aos quatro, 43, 77 e 85 minutos, e ajudou o Liverpool a meter pressão sobre Tottenham e Manchester United, que vão disputar os jogos desta ronda mais tarde, devido à participação na Taça de Inglaterra.

Na lista dos melhores marcadores, o egípcio passou a somar 28 golos, mais quatro que Harry Kane, do Tottenham.

Na tabela, o Liverpool subiu ao terceiro lugar com 63 pontos, menos dois que o Manchester United, de José Mourinho que é segundo classificado, e mais dois que o Tottenham, agora quarto posicionado.

O Watford, que durante parte da época foi treinado pelo português Marco Silva, segue num tranquilo 11.º posto, com 36 pontos.

Numa ronda, para já, com apenas quatro jogos disputados, o Everton relançou a candidatura a um lugar de acesso às competições europeias, ao vencer por 2-1 no campo do Stoke City, que continua no penúltimo lugar.

O avançado turco Tosun fez os dois golos do Everton, aos 69 e 84 minutos, enquanto o camaronês Choupo-Mouting fez, aos 77, o tento da equipa da casa, que atuou com menos uma unidade a partir dos 30, por expulsão do escocês Adam.

O Everton segue no nono lugar, enquanto o Stoke City continua a três pontos da salvação.

Na luta pela manutenção, o Crystal Palace saiu dos lugares de despromoção, após vencer no campo do Huddersfield, por 2-0, enquanto Bournemouth ficou numa posição mais confortável, ao ganhar por 2-1 ao West Brom, cada vez mais último classificado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.