Platini confessa uma "pequena aldrabice" no Mundial de 98

Copresidente do Comité de Organização da competição na altura, o ex-presidente da UEFA e ex-internacional francês admite uma entorse às regras para evitarem que França e Brasil se encontrassem antes da final.,

"Quando organizámos o calendário fizemos uma pequena aldrabice", admitiu Michel Platini no programa Stade Bleu a ser transmitida na íntegra no domingo na rádio France Bleu. O ex-número 10 e capitão da seleção francesa, que copresidiu ao Comité de organização do Mundial de 1998 confessou que as coisas foram feitas para garantir que França, o país organizador, e Brasil não se encontrariam antes da final.

"Se terminássemos em primeiro do nosso grupo e o Brasil terminasse em primeiro do seu, não nos poderíamos encontrar antes da final", afirmou Platini em conversa com o seu amigo Jacques Vendroux nos estúdios da France Bleu.

"Estamos em casa, por isso desenrascamo-nos. Não vamos passar seis anos a organizar o Mundial se não podermos fazer umas pequenas aldrabices. Achas que os outros não fizeram o mesmo nos mundiais deles? Achas...", diz Platini.

Em 1997, Brasil e França eram dois do oito cabeças de série durante o sorteio do Mundial. O Brasil enquanto campeão em título, a França como organizador. Os cabeças de lista tinham de ser distribuídos de forma aleatória pelos grupos através de um sorteio, segundo as regras da FIFA.

Mas os dois países foram previamente colocados nos grupos A e C. Só se encontraram assim na final, com a França ganhar ao Brasil 3-0.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.