Pinto da Costa quer dar "uma prenda" aos adeptos em Alvalade

Pinto da Costa afirmou hoje, nas comemorações do 124.º aniversário do clube, que o FC Porto vai lutar muito para tentar vencer o clássico, de domingo, em Alvalade, admitindo que gostaria de dar "uma prenda aos adeptos".

O presidente dos 'dragões' salientou, em declarações ao Porto Canal, o empenho de todos em "tornar o FC Porto num clube cada vez maior", lembrando o trabalho realizado no dia-a-dia para esse propósito.

"Gostaria de dar prendas aos nossos adeptos todos os dias. Só que nem sempre é possível ganhar ou então não nos deixam ganhar", referiu, a três dias do embate com os 'leões', a contar para a oitava jornada da I Liga de futebol.

Sobre o triunfo no Mónaco, por 3-0, na segunda jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões, Pinto da Costa esclareceu que foi uma resposta a quem queria intimidar o FC Porto.

"Demos uma resposta inequívoca contra o campeão francês. Todo o futebol se admirou, a equipa encarnou o espírito do FC Porto e do dragão. E foi fundamental a força dos adeptos que apoiaram a equipa e que nunca se calaram naquele estádio", reforçou o presidente.

No dia do aniversário do FC Porto, Pinto da Costa admitiu ainda que enquanto tiver forças, estará presente "para lutar com todas as forças pelo clube".

As cerimónias do 124º aniversário do FC Porto decorreram hoje de manhã com um programa de eventos que teve como ponto mais simbólico a habitual cerimónia pública do hastear da bandeira. O evento foi presidido por Pinto da Costa começou por volta das 10:00 horas, no Estádio do Dragão. Antes, disso, houve homenagens a Rui Filipe e Pavão, jogadores já falecidos, com a deposição de coroas de flores junto dos respetivos bustos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?