Pinto da Costa quer dar "uma prenda" aos adeptos em Alvalade

Pinto da Costa afirmou hoje, nas comemorações do 124.º aniversário do clube, que o FC Porto vai lutar muito para tentar vencer o clássico, de domingo, em Alvalade, admitindo que gostaria de dar "uma prenda aos adeptos".

O presidente dos 'dragões' salientou, em declarações ao Porto Canal, o empenho de todos em "tornar o FC Porto num clube cada vez maior", lembrando o trabalho realizado no dia-a-dia para esse propósito.

"Gostaria de dar prendas aos nossos adeptos todos os dias. Só que nem sempre é possível ganhar ou então não nos deixam ganhar", referiu, a três dias do embate com os 'leões', a contar para a oitava jornada da I Liga de futebol.

Sobre o triunfo no Mónaco, por 3-0, na segunda jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões, Pinto da Costa esclareceu que foi uma resposta a quem queria intimidar o FC Porto.

"Demos uma resposta inequívoca contra o campeão francês. Todo o futebol se admirou, a equipa encarnou o espírito do FC Porto e do dragão. E foi fundamental a força dos adeptos que apoiaram a equipa e que nunca se calaram naquele estádio", reforçou o presidente.

No dia do aniversário do FC Porto, Pinto da Costa admitiu ainda que enquanto tiver forças, estará presente "para lutar com todas as forças pelo clube".

As cerimónias do 124º aniversário do FC Porto decorreram hoje de manhã com um programa de eventos que teve como ponto mais simbólico a habitual cerimónia pública do hastear da bandeira. O evento foi presidido por Pinto da Costa começou por volta das 10:00 horas, no Estádio do Dragão. Antes, disso, houve homenagens a Rui Filipe e Pavão, jogadores já falecidos, com a deposição de coroas de flores junto dos respetivos bustos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.