Pierre Moscovici critica planeamento fiscal agressivo de alguns futebolistas

Moscovici lembrou que alguns futebolistas já ganham muito dinheiro graças ao seu talento "não precisam de ganhar ainda mais através de planeamento fiscal agressivo"

O comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, observou hoje que os futebolistas que auferem muito dinheiro "não precisam de ganhar ainda mais através de planeamento fiscal agressivo".

"Não luto contra nenhuma profissão em particular. Alguns futebolistas já ganham muito dinheiro graças ao seu talento", advertiu Moscovici, em Madrid, admitindo ser "um grande admirador" do avançado internacional português Cristiano Ronaldo.

O jogador do Real Madrid é acusado de quatro delitos contra o Fisco espanhol, cometidos entre 2011 e 2014, que contabilizam uma fraude tributária de 14.768.897 euros, incorrendo numa multa superior a 28 milhões de euros e em prisão efetiva de um mínimo de sete anos.

O comissário europeu explicou que este tipo de notícias foi uma das razões que o levou a propor na quarta-feira uma iniciativa destinada a obrigar assessores fiscais, advogados e outros profissionais da área a dar conta dos "truques fiscais" que propõem aos seus clientes para reduzir a fatura fiscal.

O futebol espanhol tem sido assolado por vários casos de alegada fraude fiscal, dos quais se destacam os de Ronaldo, do argentino Lionel Messi (FC Barcelona), os dois melhores futebolistas do mundo, e do treinador português José Mourinho, durante a sua passagem pelo Real Madrid.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.