PGR recebeu denúncia anónima de corrupção no Estoril-FC Porto

Em causa uma suposta reunião que terá acontecido na véspera da segunda parte do jogo

A Procuradoria Geral da República confirma a existência de uma denúncia anónima relativa à segunda parte do jogo Estoril-FC Porto, realizada a 21 de fevereiro, por causa de uma reunião que terá acontecido na véspera e de uma alegada transferência bancária.

O jornal desportivo A Bola avança hoje que a denúncia dá conta de uma reunião que terá acontecido a 20 de fevereiro, véspera da segunda parte do encontro (que foi suspenso a 15 de janeiro devido a falta de segurança na bancada), num hotel de Lisboa entre um executivo da Traffic - empresa que detém a maioria do capital da SAD do Estoril -, e um empresário e um dirigente do FC Porto. O objetivo, segundo avança a publicação, seria a combinação do resultado da partida.

A denúncia refere, segundo o desportivo, a existência de uma transferência bancária no valor de 730 mil euros, efetuada dias após a realização dessa segunda parte do jogo.

"Confirma-se a receção de uma queixa relacionada com a segunda parte do jogo Estoril Praia - Futebol Clube do Porto. A mesma foi encaminhada para o DIAP de Lisboa", diz a PGR ao DN.

A primeira parte do encontro terminou com o Estoril a ganhar ao FC Porto por 1-0. Após a realização da segunda parte os azuis brancos ganharam por 3-1.

O Correio da Manhã tinha avançado que o Estoril ia investigar os jogadores pelas fracas exibições diante do FC Porto. "Não é verdade, a notícia é totalmente falsa", grantiu depois o técnico, corroborado por declarações de uma fonte oficial dos estorilistas ao DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.