Pela primeira vez, rali Dakar vai disputar-se num só país

O Rali Dakar em todo o terreno vai pela primeira vez ser disputado em apenas um país, o Peru, revelou hoje a organização, que apresentou o percurso da edição de 2019 através de um comunicado de imprensa.

No comunicado, distribuído hoje a nível mundial, a Amaury Sport Organisation (ASO) justifica a decisão nas políticas de austeridade que Argentina e Chile estão a viver, enquanto a Bolívia saiu por não ter chegado a acordo em relação a um itinerário, cenário que já leva os organizadores a equacionarem um hipotético regresso a África.

Deste modo, o Dakar de 2019 deverá ter um total de 10 etapas, contra as 14 da edição passada, a qual teve partida da capital peruana, atravessou a Bolívia e teve as suas etapas finais na Argentina.

"É evidentemente um percurso menos ambicioso do que aquele que tínhamos previsto inicialmente, mas que vai ser na mesma interessante, porque vamos intensificar as etapas realizadas em belos ambientes de dunas e areia", disse o francês Etienne Lavigne, patrão do Dakar, à AFP.

A capital peruana, Lima, será palco da partida e da chegada da edição de 2019, que decorrerá entre 06 e 17 de janeiro, num traçado composto por 10 etapas.

Esta é a primeira vez que o rali, que se tornou mundialmente conhecido quando se disputava em África, não contará com a Argentina no seu itinerário, um país que marcou sempre presença desde que a prova se mudou, em 2009, para a América do Sul devido a questões de segurança.

"Sem o apoio financeiro e institucional dos países, torna-se complicado organizar uma corrida desta dimensão. Há um retrocesso nas despesas públicas no apoio aos grandes eventos desportivos ou outros", disse Lavigne, acrescentando esperar ainda uma redução no número de concorrentes na próxima edição.

Face aos obstáculos encontrados este ano na América do Sul, a ASO "estabeleceu contactos a alto nível" com diversas nações africanas, entre as quais Argélia, Namíbia e Angola.

Apesar de pretender manter o rali na América do Sul, continente que acolheu a prova nos últimos 10 anos, Lavigne disse: "Vamos voltar a bater à porta dos países que acolheram o Dakar nos últimos 10 anos para participarem na edição de 2020 e, se infelizmente se confirmar que continuam as mesmas medidas de austeridade, teremos de encontrar outros cenários."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.