Pedro Proença já esperava problemas com o videoárbitro

O presidente da Liga considera que "há uma grande margem de progressão para melhorar"

Pedro Proença, presidente da Liga, acredita que "há uma grande margem de progressão para melhorar" no videoárbitro (VAR), admitindo que os problemas que se têm registado "eram expectáveis", o que considera ser "natural" quando se "quer fazer melhor".

"É uma introdução e tem de ser elogiada por todos. Somos das cinco ligas profissionais que tem este meio tecnológico. Temos de ver as coisas do lado positivo: se não tivéssemos hoje VAR, que discussões teríamos de ter? Quando a tecnologia foi pensada, sabíamos que tínhamos de passar por estas fases, com uma nova realidade que permite às equipas de arbitragem aferir o que se passa dentro do campo de forma diferente. Temos de dar tempo, isso é fundamental para não deixarmos morrer o futuro da arbitragem em todo o mundo", acrescentou Proença, que esteve esta terça-feira na Web Summit, que decorre no Parque das Nações, em Lisboa.

Questionado sobre Pedro Proença a não divulgação dos áudios do VAR, deixou bem claro que é algo que ultrapassa as competências da Liga: "A Disciplina e Arbitragem estão na Federação Portuguesa de Futebol e respeitamos essa separação de poderes. Essas questões têm de ser colocadas ao Conselho de Arbitragem."

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.