Pichardo vence primeiro duelo com Nelson Évora em solo português

O luso-cubano Pedro Pablo Pichardo (Benfica) venceu hoje o primeiro duelo no triplo salto com Nelson Évora (Sporting) no Nacional de clubes de atletismo de pista coberta, em Pombal, onde foi decisivo para o título masculino dos 'encarnados'.

"Foi uma prova, penso que a vitória foi importante para a equipa, que precisava destes pontos para tentar ganhar", referiu Pichardo, recém-naturalizado, antes do tiro de partida para a estafeta 4x400 metros, que viria a selar a recuperação do título pelo emblema das 'águias'.

Pichardo iniciou a penúltima prova do programa da competição com um salto de 17,19 metros, que lhe valeu a vitória, ao que o ex-benfiquista e campeão olímpico de 2008 respondeu com 16,83.

Seguiram-se dois nulos de Pichardo e um de Évora, que chegou aos 17,06 finais -- antes de encerrar a competição com outro nulo -, enquanto o saltador 'encarnado' fechou com 17,15, marca que também daria para ganhar o concurso.

"Não há nenhuma pressão, é competição, só tínhamos competido uma vez, em Madrid, onde ele saiu vitorioso. Penso que é um bom rival, mas não me aumenta a pressão, porque dou sempre o máximo nos treinos e na competição", referiu o saltador contratado pelo Benfica para substituir Nelson Évora.

O triunfo de Pichardo empatou a classificação em 92-92, valendo o triunfo do Benfica na estafeta 4x400 metros para assegurar o seu oitavo título masculino, contra 17 dos 'leões', com um resultado final de 100-99.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.