Pedro Martins vai ser treinador do Olympiacos até 2020

O treinador português Pedro Martins vai orientar o Olympiacos, da liga de futebol grega, na próxima época, ficando com um contrato válido até junho de 2020, confirmou hoje à agência Lusa o assessor do técnico.

Pedro Martins, de 47 anos, vai cumprir a primeira experiência internacional na época 2018/19, num emblema que é heptacampeão daquele país mediterrânico, mas atualmente ocupa o segundo lugar da prova, com 54 pontos, a seis do líder AEK de Atenas, quando faltam disputar quatro partidas.

O emblema presidido por Evangelos Marinakis vai assim contar com o quinto treinador português nesta década - Leonardo Jardim em 2012/13, Vítor Pereira em 2014/15, Marco Silva em 2015/16 e Paulo Bento em 2016/17 -, após, nesta temporada, já ter despedido três treinadores: o albanês Besnik Hasi, o grego Takis Lemonis e o espanhol Óscar Garcia.

No Olympiacos, Pedro Martins vai, segundo o seu assessor, contar com a mesma equipa técnica - integra os adjuntos Rui Pedro, António Henrique, José Carlos e Luís Lobo - desde que iniciou a carreira na Liga portuguesa de futebol ao serviço do Marítimo, em 2010/11, até à mais recente experiência no Vitória de Guimarães, nesta época.

Depois de, na primeira época em Guimarães (2016/17), ter atingido o quarto lugar no campeonato e a final da Taça de Portugal - derrota com o Benfica, por 2-1 -, treinador deixou os vimaranenses em 18 de fevereiro no nono lugar, após sofrer uma goleada caseira no dérbi com o Sporting de Braga (5-0).

Antes, o treinador conseguiu ainda apuramentos europeus ao serviço do Marítimo - equipa que treinou de 2010/11 a 2013/14 -, com o quinto lugar na época 2011/12, e do Rio Ave, com o sexto lugar na época 2015/16, a última das duas que esteve em Vila do Conde.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".