Oficial: Paulo Bento deixa o Olympiacos

Clube grego já anunciou a saída do treinador português

Paulo Bento já não é treinador do Olympiacos. O anúncio foi feito na tarde desta segunda-feira pelo clube grego, através das redes sociais, que informam "o fim da cooperação com Paulo Bento".

A notícia já era esperada, pois a grande maioria dos jornais helénicos já falava na manhã desta segunda-feira dessa forte possibilidade.

A derrota deste domingo com o PAOK, a terceira consecutiva no campeonato, algo que já não acontecia no clube há 21 anos, precipitou o divórcio entre as duas partes, de nada valendo ao treinador português o facto de o olympiacos ser líder do campeonato grego com sete pontos de vantagem sobre o Panionios, que tem menos um jogo.

Chori, capitão do Olympiacos, tinha deixado esta segunda-feira uma mensagem no facebook a criticar as palavras de Paulo Bento depois da derrota com o PAOK.

"Recebi com muita surpresa as declarações do nosso treinador depois da derrota com o PAOK. Temos grandes jogadores com muita personalidade e confesso que esperava que ele nos mantivesse unidos durante este período difícil, tal como fez o presidente no passado domingo [...] É altura de assumir a responsabilidade pela má situação em que se encontra a equipa, olhar para dentro e não deitar as culpas para os outros. Pessoalmente, há muito que me sinto prejudicado em termos de tratamento, mas acreditava que com muito trabalho e paciência a situação fosse melhorar, mas tal não aconteceu", escreveu.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.