Patrice Evra desaconselha almoços na casa de Ronaldo

O internacional francês recorda um almoço partilhado com o jogador madeirense, confirmando a exigência e a disciplina de Ronaldo perante o rendimento ao mais alto nível

Em entrevista ao canal ITV, o francês Patrice Evra, relatou histórias curiosas sobre Cristiano Ronaldo. O internacional partilhou o balneário do Manchester United com o jogador português durante quatro temporadas. Para Evra, Ronaldo "é uma máquina" que não pára de treinar.

Atualmente a representar o West Ham, da Premier League, o defesa de 37 anos desaconselha todos que forem convidados a comer na casa de Cristiano a aceitarem o convite. "Uma vez convidou-me para almoçar depois de um treino", começa por dizer Evra. "Na mesa só havia salada, frango e água; ainda pensei que haveria mais comida, mas não houve", conta o internacional francês.

De seguida, Evra ficou ainda mais surpreendido com o nível de exigência de Ronaldo. "Depois de ele acabar de comer, pôs-se a jogar com uma bola. Propôs-me dar toques e depois perguntou-me se queria ir nadar na piscina". O jogador francês interrogou-se se teria sido convidado para almoçar ou para preparar o jogo do dia seguinte.

Mesmo em tom de brincadeira, o lateral francês aconselha: "Se ele vos convidar para irem a casa dele, digam que não. Ele é uma máquina; nunca pára de treinar."

Cristiano Ronaldo e Patrice Evra foram colegas de equipa entre 2005 e 2009. Ao serviço do Manchester United, os dois jogadores venceram três campeonatos de Inglaterra, uma Liga dos Campeões e um Campeonato do Mundo de clubes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.