Partes envolvidas já negoceiam o futuro de Lisboa

Querem a manutenção do estaleiro em Pedrouços, que tem sido fundamental para Lisboa ser campo de treinos

A administração da Volvo Ocean Race e as autoridades de Lisboa já começaram a negociar o futuro da prova na capital portuguesa. A Volvo Ocean Race abriu uma espécie de leilão para que cidades no mundo inteiro se candidatem a ter um stop over na próxima edição, em 2020, mas Lisboa está fora desse leilão. As negociações são diretas, o que significa a vontade da Volvo Ocean Race de que a capital portuguesa se mantenha no mapa da regata, onde consta desde a edição 2011-2012.

O que está em causa não é só a regata voltar a parar na cidade nas próximas duas edições. Tão ou mais importante do que isso é a manutenção na doca de Pedrouços do boatyard (estaleiro) da Volvo Ocean Race. Trata-se da infraestrutura onde, nos últimos dois anos, todos os barcos concorrentes, os VO65, foram sujeitos a um processo de revisão geral, o chamado refit, com custos orçados por veleiro na ordem do milhão de euros.

A Volvo Ocean Race quer que o boatyard se mantenha em Pedrouços pelo menos por mais seis anos, mas também sabe que há mais de uma dúzia de cidades no mundo inteiro - metade das quais na Europa - que também o querem. A negociação envolve o governo português, a Câmara Municipal de Lisboa e também o Porto de Lisboa, entidade gestora da doca de Pedrouços.

A existência do boatyard em Pedrouços fez que a maior parte das equipas escolhessem a capital portuguesa como campo de treinos mas também "chamou" empresas portuguesas. O exemplo máximo é o da Noras Performance, uma empresa de Santarém que inventou uma boia salva-vidas telecomandada.

A direção da Volvo Ocean Race apreciou de tal forma a ideia que agora a boia está a ser apresentada em todos os portos onde a regata para (12 cidades dos cinco continentes).

Foi também o convívio com as equipas em Pedrouços o facto decisivo para que agora três velejadores portugueses integrem as equipas concorrentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.