Os seis portugueses que correm o Dakar na sombra

Três mecânicos e três copilotos enfrentam o mítico rali sob a bandeira nacional, ao serviço de equipas estrangeiras.

É raro falar-se deles e quando se fala quase nunca é por um bom motivo. Uns são mecânicos, outros copilotos (navegadores). Vivem na sombra e têm como missão ajudar os pilotos a chegar ao fim da etapa e a conseguir a melhor classificação possível. Nada que os desvalorize enquanto profissionais.

Filipe Palmeiro é um deles. É navegador do piloto chileno Boris Garafulic (Mini X-Raid) e correu mundo numa fotografia revelada pelo Dakar em que aparecia a dar assistência a Nani Roma, que sofreu um acidente e teve de abandonar na terceira etapa. "Todos nós sabemos o risco que corremos, mas quando um amigo está naquela situação um aperto na mão ajuda bastante! Este Dakar não está a ser fácil e já houve vários acidentes. Dois dias antes deu apoio a Pedro Velosa (navegador de Pedro Mello Breyner ),que também teve de ser evacuado de helicóptero para o hospital", explicou ao DN o português, um dos seis que iniciaram o Dakar num papel secundário, mas de enorme importância.

Nos camiões, olhos postos no experiente José Martins, a integrar a tripulação como mecânico da equipa Boucou, e o reconhecido Paulo Fiuza (antigo copiloto de Carlos Sousa) que está em prova como mecânico dos espanhóis da Palibex Dakar Team. E ainda Marco Moreiras (ver entrevista) como mecânico no camião da equipa alemã South Racing .

A 40.ª edição do Dakar começou com um contingente de pilotos lusos ligeiramente mais reduzido do que o de 2017 (11 portugueses à partida, um recorde de participações). Começou a sofrer baixas (Mário Patrão e Paulo Gonçalves) mesmo antes de começar e continuou na primeira etapa - Joaquim Rodrigues abandonou após acidente. Tal como o estreante André Villas-Boas, que teve o motard Ruben Faria como navegador, e Pedro Mello Breyner, acompanhado do também português Pedro Velosa. Peripécias que deixaram Carlos Sousa (Renaut Duster Team) a correr sozinho, como piloto, pelas cores nacionais nos carros.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.