Orlando Duque conquistou finalmente o ilhéu de Vila Franca do Campo

Colombiano é uma das lendas do Red Bull Cliff Diving. Aos 42 anos conseguiu uma vitória que já lhe tinha escapado em edições anteriores. A mexicana Adriana Jimenez foi a melhor entre as senhoras

Orlando Duque não esconde a admiração pelos Açores e pela oportunidade de saltar das rochas, recuando assim às origens desta modalidade, com mais de 200 anos. O nome do colombiano confunde-se com o nome da competição. Foi o primeiro campeão há nove anos e aos 42 só pensa em continuar ainda mais algum tempo a saltar de 27 metros de altura. Agora tem finalmente no seu currículo a vitória no ilhéu de Vila Franca do Campo (somou 346,5 pontos).

"Isto é o Cliff Diving", disse o colombiano após o triunfo. Muito satisfeito por ter finalmente vencido nos Açores, confessou que foi um dia duro o das últimas duas rondas. Começou na segunda posição, mas conseguiu dar o passo que lhe faltava nesta etapa do Red Bull Cliff Diving. Tinha esperança que os adversários cometessem alguns erros e isso aconteceu, principalmente por parte de Gary Hunt, o hexacampeão e que só sabe o que é terminar no pódio nos Açores.

O britânico começou muito mal a prova, correndo o risco de falhar a ronda final. De último passou para sétimo e terminou na terceira posição (330,4). No final, proporcionou um momento que arrancou muitos sorrisos aos restantes saltadores, quando disse que não se dá bem com saltos fáceis e, por isso, é que escolhe sempre os mais difíceis! Admitiu que perante o mau começo não esperava chegar ao pódio e sobre a etapa dos Açores, a única em que se pode saltar directamente da rocha, disse: "Parece que viajámos no tempo e temos de lutar por um lugar na tribo."

Hunt tinha ganho na Irlanda e mantém a liderança do campeonato, mas Orlando Duque prometeu dar luta. Em segundo lugar ficou o americano Steven LoBue (342.45), que confessou estar feliz por ter a oportunidade de em 2018 regressar ao ilhéu de Vila Franca do Campo. Está confirmada a sétima edição do Red Bull Cliff Diving nos Açores.

Quanto às senhoras, a simpática mexicana Adriana Jimenez (303,5) foi a vencedora, tendo expressado o sentimento que parece ser comum nos atletas que fazem parte desta elite mundial: "Este é um lugar muito especial." Adriana destacou-se ainda por ter tentado falar um pouco em português. O pódio ficou completo com Helena Merten (australiana, 284,7 pontos) e a wildcard alemã, Anna Bader (281,9). A campeã em título, Rhiannan Iffland não esteve no seu melhor e fechou na quinta posição, mas tal como Gary Hunt, mantém a liderança do campeonato.

O Red Bull Cliff Diving segue agora para Itália, com Polignano a Mare a receber a terceira de seis etapas.

Exclusivos