O salto proibido na patinagem que ninguém se atreve a fazer há 20 anos

Surya Bonaly foi penalizada pelo salto, já que este estava proibido. Salto é feito fora de competições oficiais

É um salto que não se vê nos Jogos Olímpicos de Inverno e está mesmo proibido desde 1976: o mortal à retaguarda. Fazê-lo pode valer a desclassificação ou pelo menos custar alguns pontos. Mas há 20 anos, em Nagano, no Japão, a francesa Surya Bonaly quis arriscar.

Bonaly, que ganhou três vezes a prata nos campeonatos do mundo e foi cinco vezes campeã europeia, chegou ao Japão em 1998 com a consciência de que aquelas seriam as suas terceiras e últimas olimpíadas. Com a certeza de já ter perdido a hipótese de uma medalha, depois de ficar em sexto no programa curto, a francesa quis deixar a sua marca e fazer o salto que era a sua assinatura no gelo: um salto mortal à retaguarda, com a saída especial, aterrando num patim.

"Ilegal - mas assombroso", escreveu na altura o jornal Boston Globe. Bonaly foi penalizada pelo salto, já que este estava proibido, e acabou em décimo, mas hoje fala orgulhosamente daquele momento. "Queria fazer algo para agradar ao público, não ao júri. O júri não fica contente independentemente do que eu faça, e sabia que não tinha hipóteses porque toda a gente estava em tão boa forma", disse na altura.

Retirada há duas décadas, a francesa trabalha agora como treinadora nos Estados Unidos.

O salto mortal à retaguarda foi banido em 1976 pela International Skating Union (ISU) e o primeiro e último patinador a executá-lo legalmente foi o norte-americano Terry Kubicka, numa competição naquele mesmo ano.

Os regulamentos dizem apenas os "saltos tipo mortal" (somersault type jumps) são ilegais, sem mais informação, pelo que várias razões que têm sido avançadas para o movimento não ser permitido (embora nenhuma seja oficial): o facto de as saídas de saltos serem feitas apenas num patim, enquanto neste eram feitas nos dois; o conservadorismo da ISU ou ainda o facto de ter sido considerado perigoso.

É usado em exibições de patinagem, embora a saída igual à de Bonaly seja mais rara.

Notícia atualizada às 12.45. Acrescentada informação sobre a ISU e a proibição do salto

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.