O mais alto da história da Vuelta ocupa o último lugar

Irlandês Conor Dunne, da Aqua Blue, mede 2,04 metros. Em sofrimento para continuar em prova, sonha chegar a Madrid

Conor Dunne mede 2,04 metros e é desportista. A altura sugere tratar-se de um praticante de basquetebol, andebol ou natação, ou então um guarda-redes de futebol, mas é no ciclismo que o britânico tem a sua atividade profissional.

Nascido há 25 anos na cidade inglesa de St. Albans, assume-se como irlandês, tal como a equipa que representa durante este ano, a Aqua Blue Sport. O gigante ciclista está a competir na Volta a Espanha, prova na qual estabeleceu o novo recorde para participante mais alto, ocupando o 162.º... e último lugar, a quatro horas, 25 minutos e 35 segundos do camisola vermelha, Chris Froome (Sky), que por sua vez mede 1,86 metros.

A diferença entre Dunne e o líder da prova até deverá crescer, mas nada demove o corredor da República da Irlanda de atingir o objetivo de chegar a Madrid no domingo, na derradeira etapa da competição. O tempo é mesmo o menos importante. Chegar ao fim é que importa, é esse o sonho do gigante, que está a estrear-se numa das três grandes voltas (Giro, Tour e Vuelta), precisamente naquela que é considerada a que pior se adapta às características dele. "Às vezes torna--se horrível, mas estou a dar o melhor de mim", garantiu o atleta da Aqua Blue, equipa que viu o seu autocarro ser incendiado numa passagem pela cidade andaluza de Almería e contou com um empréstimo de um da formação portuguesa LA Alumínios para assegurar o transporte dos atletas.

"É um grande desafio diário, cada etapa é duríssima. Para mim, passa por sobreviver a cada dia que passa, mas estou atento para quando tiver oportunidade de fazer algo especial", confessou, piscando o olho a uma eventual fuga, apesar da dificuldade da competição. "Vais ao limite todos os dias, o ritmo é muito alto. Quando se sofre todos os dias e tem de se dar o máximo em cada etapa, tornas-te mais forte e é para isso que aqui estou", vincou o lanterna vermelha da Vuelta, que provavelmente vai vestir as cores do seu país no Campeonato do Mundo que se vai realizar na cidade norueguesa de Bergen, entre os dias 16 e 24.

Apesar da campanha discreta na Volta a Espanha, o irlandês vai dando nas vistas pela figura imponente. Não é de agora. Há dois anos foi fotografado em conjunto com o ciclista francês mais baixo do pelotão internacional, Samuel Dumoulin (1,59 m), para um trabalho do diário desportivo gaulês L"Équipe.

O caso de Dunne é de tal forma especial que a fabricante Ridley teve de construir uma bicicleta especialmente para ele. "O quadro tem o tamanho 63, foi personalizada para mim. Os tamanhos normais não me ficam bem, sou demasiado grande. Foi ótimo a fabricante ter feito um modelo espe- cífico para mim. Ajuda muito ter uma bicicleta que se adapte às minhas dimensões", afirmou, em alusão ao modelo Noah SL.

Froome lidera mas por menos

O ciclista austríaco Stefan Denifl, companheiro de equipa de Conor Dunne na Aqua Blue Sport, venceu ontem isolado a 17.ª etapa da Vuelta. O austríaco de 29 anos cumpriu a tirada de 180,5 quilómetros, que culminou numa subida de categoria especial ao alto de Los Machucos, na Cantábria, em 4:48.52 horas, 28 segundos à frente do espanhol Alberto Contador (Trek-Segafredo).

O líder continua a ser o britânico Chris Froome (Sky), que ontem foi 14.º, a um minuto e 46 segundos do vencedor da etapa, e por isso viu as distâncias para o vice-líder da geral serem encurtadas. A vantagem para o italiano Vincenzo Nibali (Bahrain - Mérida) é agora de um minuto e 16 segundos.

Hoje, o pelotão enfrenta os 169 quilómetros entre Suances e a subida ao mosteiro de Santo Toribio de Liébana, de terceira categoria.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.