O gesto nobre de Thy para ajudar doente com leucemia

Avançado do Venlo pediu dispensa dos treinos uma semana e vai faltar a um jogo para tentar salvar uma vida. Clube está orgulhoso

Faltar uma semana aos treinos e perder um jogo importante por uma causa nobre. Lennart Thy, 26 anos, avançado alemão que joga no VVV-Venlo, da I Liga holandesa, obteve permissão da sua equipa para se ausentar dos trabalhos durante oito dias. A justificação não podia ser mais digna: Thy vai estar internado para ajudar um doente com leucemia que precisa de um transplante de células estaminais que poderá salvar-lhe a vida.

A revelação foi feita através das redes sociais pelo próprio clube. Lennart Thy, que é só o melhor marcador da equipa, tem um ADN totalmente compatível com o doente e por isso vai doar sangue para que seja possível gerar células estaminais para realizar o transplante. "O VVV está completamente de acordo com a petição feita pelo jogador para cooperar com este procedimento especial. A possibilidade de existir uma compatibilidade de ADN é pequena e cria uma situação excecional. Nesse sentido, o jogador vai estar ausente toda a semana e vai falhar o jogo com o PSV Eindhoven", escreveu o clube, honrado por Thy "poder salvar uma vida".

Há sete anos, quando ainda representava o Werder Bremen, da I Liga alemã (clube que ainda é detentor do seu passe), o avançado resolveu doar sangue para ajudar um doente com um cancro e entrou para uma lista de dadores. Agora, todos estes anos depois, foi chamado por ter um ADN compatível com um outro doente que sofre de leucemia.

"O que o Lennart vai fazer, ao tentar salvar uma vida, é muito mais importante do que um jogo de futebol e estamos todos muitos orgulhosos dele. Poder salvar a vida de outra pessoa é algo fantástico. Ele neste momento já está internado a injetar coisas no sangue no sentido de criar mais células estaminais. Está algo tenso, mas com muita esperança de poder ajudar o doente que sofre de leucemia", referiu Maurice Steijn, treinador do VVV-Venlo.

O clube não foi apanhado de supresa, pois tem conhecimento da situação há cinco semanas. E de imediato deu autorização ao jogador para se ausentar, mesmo que isso implique falhar o jogo do próximo sábado, frente ao PSV Eindhoven, o atual líder da Liga holandesa - o VVV-Venlo está na 12.ª posição da classificação. Afinal, como o próprio clube revelou nas redes sociais, está em causa a possibilidade de se salvar uma vida. A identidade do doente, neste caso, não foi revelada.

Lennart Thy foi formado nas escolas do Werder Bremen, mas na temporada 2012-13 transferiu-se para o St. Pauli, onde atuou durante quatro temporadas. Regressou novamente ao clube de origem, mas não se impôs e voltou a ser cedido. Esta temporada, no VVV-Venlo, tem oito golos apontados em 29 jogos realizados.

Ronaldo também é dador

Entre os jogadores portugueses, Cristiano Ronaldo é o mais famoso dador de sangue e ao longo dos últimos anos tem participado em várias ações de sensibilização. O capitão da seleção nacional tornou--se dador em 2011, quando a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) lançou uma campanha para ajudar o filho de Carlos Martins (ex-jogador de Benfica, Sporting e Belenenses), que sofria de uma aplasia medular e necessitava de um transplante de medula óssea para sobreviver.

O ano passado, em junho, para assinalar o Dia Mundial do Dador de Sangue, Ronaldo colocou nas redes sociais uma imagem a apelar à doação de sangue, numa das várias iniciativas que tem feito para sensibilizar as pessoas a seguirem o seu exemplo. É esta a razão, aliás, para o jogador do Real Madrid não usar piercings nem ter qualquer tatuagem no corpo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.