O gesto nobre de Thy para ajudar doente com leucemia

Avançado do Venlo pediu dispensa dos treinos uma semana e vai faltar a um jogo para tentar salvar uma vida. Clube está orgulhoso

Faltar uma semana aos treinos e perder um jogo importante por uma causa nobre. Lennart Thy, 26 anos, avançado alemão que joga no VVV-Venlo, da I Liga holandesa, obteve permissão da sua equipa para se ausentar dos trabalhos durante oito dias. A justificação não podia ser mais digna: Thy vai estar internado para ajudar um doente com leucemia que precisa de um transplante de células estaminais que poderá salvar-lhe a vida.

A revelação foi feita através das redes sociais pelo próprio clube. Lennart Thy, que é só o melhor marcador da equipa, tem um ADN totalmente compatível com o doente e por isso vai doar sangue para que seja possível gerar células estaminais para realizar o transplante. "O VVV está completamente de acordo com a petição feita pelo jogador para cooperar com este procedimento especial. A possibilidade de existir uma compatibilidade de ADN é pequena e cria uma situação excecional. Nesse sentido, o jogador vai estar ausente toda a semana e vai falhar o jogo com o PSV Eindhoven", escreveu o clube, honrado por Thy "poder salvar uma vida".

Há sete anos, quando ainda representava o Werder Bremen, da I Liga alemã (clube que ainda é detentor do seu passe), o avançado resolveu doar sangue para ajudar um doente com um cancro e entrou para uma lista de dadores. Agora, todos estes anos depois, foi chamado por ter um ADN compatível com um outro doente que sofre de leucemia.

"O que o Lennart vai fazer, ao tentar salvar uma vida, é muito mais importante do que um jogo de futebol e estamos todos muitos orgulhosos dele. Poder salvar a vida de outra pessoa é algo fantástico. Ele neste momento já está internado a injetar coisas no sangue no sentido de criar mais células estaminais. Está algo tenso, mas com muita esperança de poder ajudar o doente que sofre de leucemia", referiu Maurice Steijn, treinador do VVV-Venlo.

O clube não foi apanhado de supresa, pois tem conhecimento da situação há cinco semanas. E de imediato deu autorização ao jogador para se ausentar, mesmo que isso implique falhar o jogo do próximo sábado, frente ao PSV Eindhoven, o atual líder da Liga holandesa - o VVV-Venlo está na 12.ª posição da classificação. Afinal, como o próprio clube revelou nas redes sociais, está em causa a possibilidade de se salvar uma vida. A identidade do doente, neste caso, não foi revelada.

Lennart Thy foi formado nas escolas do Werder Bremen, mas na temporada 2012-13 transferiu-se para o St. Pauli, onde atuou durante quatro temporadas. Regressou novamente ao clube de origem, mas não se impôs e voltou a ser cedido. Esta temporada, no VVV-Venlo, tem oito golos apontados em 29 jogos realizados.

Ronaldo também é dador

Entre os jogadores portugueses, Cristiano Ronaldo é o mais famoso dador de sangue e ao longo dos últimos anos tem participado em várias ações de sensibilização. O capitão da seleção nacional tornou--se dador em 2011, quando a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) lançou uma campanha para ajudar o filho de Carlos Martins (ex-jogador de Benfica, Sporting e Belenenses), que sofria de uma aplasia medular e necessitava de um transplante de medula óssea para sobreviver.

O ano passado, em junho, para assinalar o Dia Mundial do Dador de Sangue, Ronaldo colocou nas redes sociais uma imagem a apelar à doação de sangue, numa das várias iniciativas que tem feito para sensibilizar as pessoas a seguirem o seu exemplo. É esta a razão, aliás, para o jogador do Real Madrid não usar piercings nem ter qualquer tatuagem no corpo.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".