Nunca falhou uma maratona e com 85 anos não pensa em parar

Ken Jones correu a primeira edição em 1981 e desde então marcou sempre presença, mesmo em algumas em que estava doente. É um dos 11 ever-presents da prova londrina

O nome de Ken Jones não dirá praticamente nada a ninguém no mundo do desporto. Ou melhor, em Londres diz. Quem corre a Maratona londrina sabe quem é o atleta de 85 anos que nunca falhou esta prova britânica e que hoje estará de novo na linha de partida.

Nunca ganhou, até porque não é profissional, mas quem segue a Maratona de Londres estranharia se Ken Jones falhasse a prova, dado que desde 1981, ano da primeira edição desta corrida, o inglês é dos poucos que estiveram presentes em todas. Aliás, faz mesmo parte do clube sénior com o nome Ever Present Club of veterans (clube de veteranos que marcou sempre presença).

As correrias de Ken Jones começaram após a Segunda Guerra Mundial, na qual combateu, inscrevendo-se num clube londrino no início dos anos 1950, quando terminou o serviço militar.

A primeira maratona fê-la em 1967, numa altura em que fazia uma média de cinco minutos por cada milha (1,6 quilómetros). Um ritmo que, naturalmente, já abrandou bastante - agora percorre a mesma distância em cerca de 15 minutos.

Ken Jones, de acordo com o próprio, soma quase 110 maratonas e isso deve-se à forma como viveu até hoje. "Desde muito novo que entendi que para ter uma vida mais longa teria de ter também uma vida sempre saudável. Felizmente nunca tive doenças graves ou lesões sérias, sempre comi bastante bem, fiz muito desporto e hoje com 85 anos continuo a lutar por esse estilo de vida", disse o londrino, que nos dias de hoje vive em Strabane, confessando também que outros dos segredos para esta boa forma foi o facto de durante toda a sua vida ter evitado o consumo de álcool e cigarros.

Poucos, velhos, mas bons

Aos 85 anos, no entanto, não se pense que Ken Jones é caso único no sua faixa etária a correr esta maratona. Ao tal clube de veteranos somam-se outros dez atletas, mas o londrino é o mais velho de todos. "Há apenas outros dez que sobram desde a primeira prova, isto em toda a Inglaterra. Eu sou o mais velho, os outros são mais novos, entre cinco a dez anos mais novos do que eu", disse o corredor, que já viu morrer alguns dos que pertenciam ao clube dos sempre presentes.

"Normalmente têm morrido com 90 e muitos anos, 98, 99, 100. Espero continuar por muitos mais anos, até porque isto faz que sejamos saudáveis e estejamos bem. Ainda espero poder fazer esta maratona por mais alguns anos, desde que o consiga em pleno", salientou Ken Jones, mostrando-se otimista para a prova deste ano. "É sempre um grande dia, incrível, 40 mil pessoas no ano passado e neste ano deverão ser ainda mais. Vai ser muito interessante e todos nós estamos entusiasmados. E o povo é excelente para nós, quando estamos a sentir-nos mais em baixo, mais cansados - e nos últimos quilómetros já estamos a sofrer muito -, são os incentivos deles que nos animam para terminar a corrida", confessou o inglês, que tem como ídolo Paula Radcliffe, ex-atleta e atual recordista mundial da maratona feminina.

Correr e depois... andar

Apesar de levar já muitos anos de preparação para provas destas, de 42,195 quilómetros, a verdade é que Ken Jones tem vindo a reduzir o esforço físico nas mesmas.

A ideia que tem para a maratona de hoje é correr durante cinco milhas (pouco mais de oito quilómetros) e depois ir a andar o resto da prova. "Faço isso há algum tempo, para reduzir o esforço físico e para que as recuperações sejam também bem mais rápidas. Gostava de correr todas as milhas, mas é impossível nestes dias", salientou .

Segurança bastante apertada

O risco de possíveis atentados, como o que aconteceu na Maratona de Boston, há cinco anos, tem feito que a segurança neste tipo de provas seja cada vez mais apertada e hoje será mais um exemplo disso mesmo.

São esperadas 120 mil pessoas, 40 mil corredores e 80 mil espectadores, e para estes milhares foram destacados mais de 18 mil agentes, a grande maioria armados mas muitos deles também à paisana, entre a multidão, de acordo com a imprensa inglesa.

Vão ser colocados também vários camiões nas ruas, de forma a fechá-las, para evitar possíveis investidas terroristas.

Refira-se que a família real é esperada também para assistir à Maratona de Londres, o que eleva ainda mais o nível de segurança desta prova.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.