Jorge Simão diz que "ninguém espera que o Boavista ganhe o jogo" com o Sporting

O treinador do Boavista afirmou este sábado que "ninguém espera que o Boavista ganha o jogo" com Sporting, no domingo, para a 31.ª jornada da I Liga, avisando, porém, que "não há vencedores antecipados".

Jorge Simão referiu que "a questão do favoritismo nem se coloca, porque qualquer pessoa percebe" quem é o favorito para esta partida, que terá lugar no Estádio José Alvalade, em Lisboa.

"Reconhecendo o favoritismo claro de uma equipa sobre a outra, também importa dizer que não há vencedores antecipados e ninguém ganha jogos antes de jogar, sendo certo que ninguém espera que o Boavista ganhe o jogo", acrescentou.

Dito isso, Jorge Simão lembrou que "não há vencedores antecipados".

"O Sporting luta pelo título, acabou de ser apurado para a final da Taça de Portugal. Podemos especular que é uma equipa que apresenta sinais de fadiga, segundo o seu treinador, com a sobrecarga de jogos, e que se chegar ao intervalo em vantagem poderá abordar o jogo de outra forma, tudo verdades que são óbvias demais", notou.

Os leões são "uma equipa com uma força incomensuravelmente superior" e só com uma boa exibição será possível conseguir "trazer alguma coisa de positivo de Alvalade", vincou ainda Jorge Simão.

Depois, sem ser questionado, o técnico voltou a uma questão que já tinha abordado na semana anterior e que se prende com a caraterização da sua equipa.

"Continuo a ver a e a ouvir comentadores, jornalistas, opinadores, toda a gente, salvo raras exceções, a olhar para o Boavista 2017/18 como sendo uma equipa que defende muito, que joga em contra-ataque, que nas bolas paradas é fortíssima, muito agressiva e faltosa e resume-se a isto", disse.

Jorge Simão disse sentir necessidade de "gritar alto e bom som" o que de bom, em sua opinião, tem sido feito pelo Boavista ao longo desta época, "não só em termos pontuais, mas também em termos de desempenho".

"Não se pode dizer que somos uma equipa que defende bem e sai em contra-ataque. É absurdo dizer isto do Boavista. Isto não invalida que amanhã o jogo não possa ter essa tendência, porque estamos falar de uma força incomparavelmente diferente", ressalvou.

Jorge Simão prosseguiu dizendo que a qualidade do "seu" Boavista ficou à vista, "mesmo contra adversários que lutam pelo título".

"Não acho que se esteja a fazer justiça aquilo que tem sido o nosso desempenho. Não tem sido o dado mérito que esta equipa merece", reforçou, considerando que "o rótulo colado não está bater certo" com as exibições.

O treinador continuou com os elogios afirmando que, "para além dos pontos", o "seu" Boavista está "a jogar muito bem, a fazer cosas muito boas e, por via disso, a valorizar muitos jogadores".

"Há alguns jogadores que neste momento estão ser alvo da atenção de clubes de outra dimensão e só posso ficar satisfeito por isso", disse Jorge Simão.

Para este jogo, o Boavista não pode contar com David Simão, castigado, e Bulos e Sparagna, lesionados, sendo que o central francês ressentiu-se de um problema no joelho direito que, "muito provavelmente", de acordo com Jorge Simão, o obrigará a ser operado.

Em contrapartida, o lateral-direito Edu Machado, que esteve ausente devido a uma lesão, já "está volta em pleno e à convocatória", anunciou Jorge Simão.

O Sporting, terceiro classificado com 71 pontos, recebe no domingo, às 20:15, o Boavista, sétimo com 38, num encontro da 31.ª jornada da I Liga.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?