Neymar, o plano do Real para voltar a ser galático

Brasileiro, ex-Barça, é o "objetivo estratégico" de Florentino Pérez para liderar a renovação do Real Madrid nos próximos anos

Neymar "acabou" de trocar o Barcelona pelo PSG por um estratosférico valor recorde de 222 milhões de euros? Não é problema para o Real Madrid de Florentino Pérez. O craque brasileiro está definido como o próximo alvo do presidente merengue para voltar a fazer do Real great again no mercado de transferências - e também no relvado, claro, onde a façanha inédita de cinco troféus conquistados no ano de 2017 parece já um feito longínquo face aos atuais humilhantes 16 pontos de atraso para o Barcelona na liga espanhola.

A informação fez ontem manchete do jornal madrileno Marca - "Com Neymar na cabeça" -, que garante que o antigo avançado do Barça é a prioridade absoluta para a estratégia de reestruturação do Real Madrid nos próximos anos, no plano desportivo e comercial. E, por isso, Florentino Pérez está determinado a iniciar o processo de tentativa de contratação do brasileiro, mesmo sabendo que poderá ter de desembolsar pelo menos 400 milhões de euros, adianta aquele diário espanhol.

A equação não é nova para o presidente do Real Madrid, que a implementa desde a sua primeira chegada à liderança do clube, quando roubou o português Luís Figo ao rival Barcelona para ganhar as eleições num já longínquo verão de 2000. A fórmula dos galáticos foi sendo replicada, com maior ou menor sucesso, ao longo dos reinados de Florentino, marcando a história do Real Madrid neste século.

Depois de Figo, seguiram-se Zidane, Ronaldo (o brasileiro), David Beckham, Michael Owen ou Robinho, na primeira era de Florentino (até 2006). O arranque da segunda era do empresário na presidência do clube ficou marcado pela chegada de outro português, Cristiano Ronaldo, que entretanto marcou a história do Real Madrid como só Di Stefano antes dele (na década de 1950) e viu juntarem-se-lhe nos anos seguintes nomes como Mesut Ozil, Di Maria, Luka Modric, Gareth Bale, James Rodriguez ou Toni Kroos (alguns já fora do clube).

Nos últimos dois anos, contudo, o Real tem adotado um perfil surpreendentemente discreto no mercado de transferências. Nesta época, por exemplo, gastou apenas 46,5 milhões na contratação de dois jogadores (Theo Hernandez e Dani Ceballos), menos até do que o outrora "vizinho pobre" Atlético de Madrid (104 milhões) e longe, muito longe, dos 323 milhões com que o rival Barça estabeleceu um novo recorde mundial, ultrapassando precisamente o investimento do Real Madrid em 2009 (257,4 milhões, ano de Kaká e Ronaldo).

Mas isso está a acabar. O Real vai voltar à normalidade galática no próximo verão. E Neymar é o escolhido. Falta saber o que pensa o PSG. Ou melhor, calcula-se: "Inegociável", reporta o mesmo diário Marca, noutro texto, lembrando que Neymar não tem cláusula de rescisão (proibidas em França). Florentino Pérez, no entanto, confia em convencer os parisienses. E pode até usar Cristiano Ronaldo para isso, já que o português de 32 anos tem manifestado mal-estar pela falta de melhoria salarial e o seu futuro já surgiu na rota do PSG.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.