Nelson Évora conquista medalha de bronze em Londres

Português foi terceiro na final do triplo salto e repetiu resultado de há dois anos

Nelson Évora garantiu a medalha de bronze na final do triplo salto dos mundiais de atletismo em Londres.

O atleta português, campeão mundial em 2007 e campeão olímpico em 2008, conseguiu o terceiro lugar com a marca de 17.19 metros, fixada ao segundo ensaio, e ficou apenas atrás dos norte-americanos Will Claye (2.º) e Christian Taylor (que juntou o título mundial ao olímpico).

Classificação final::

1. Christian Taylor (EUA), 17.68m

2. Will Claye (EUA), 17.63m

3. Nelson Évora (POR), 17.19m

4. Cristian Napoles (CUB), 17.16m

5. Alexis Copello (AZE), 17.16m

6 . Chris Bernard (EUA), 17.16m

7. Andy Diaz (CUB), 17.13m

8. Jean-Marc Pontvianne (FRA), 16.79m

Recorde-se que Nelson Évora repete assim a medalha de bronze conquistada há dois anos, nos mundiais de Pequim, e aumenta para quatro as medalhas conquistadas em mundiais de atletismo ao ar livre: ouro em 2007, prata em 2009 e bronzes em 2015 e 2017.

Além disso foi campeão olímpico em Pequim 2008, campeão europeu em pista coberta em 2015 e 2017 e medalha de bronze nos mundiais de pista coberta de 2008.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.