Nelson Évora no ataque ao pódio dos portugueses mais medalhados

Bronze nos Mundiais de pista coberta foi a nona medalha do campeão olímpico de 2008 em grandes competições internacionais de pista. Só três lusos atingiram fasquia da dezena

A medalha de bronze no recente Campeonato do Mundo de pista coberta deixou Nelson Évora a um pódio do... pódio dos atletas portugueses com mais medalhas internacionais conquistadas em grandes competições internacionais de pista - englobando Jogos Olímpicos, Campeonatos de Mundo e da Europa, tanto ao ar livre como em pista coberta. A de Birmingham foi a nona medalha sénior na carreira do recordista nacional do triplo salto, ficando perto de entrar para o restrito grupo de atletas portugueses que conseguiram chegar à marca das dezenas de pódios, numa lista que ainda é liderada por Fernanda Ribeiro. A campeã olímpica dos 10 000 metros em Atlanta"96 colecionou 12 medalhas nas maiores competições do atletismo, enquanto Naide Gomes e Rui Silva conquistaram dez cada.

Nesta lista dos mais medalhados portugueses de todos os tempos, Nelson Évora ganhou um novo fôlego nos últimos anos, desde 2015, depois de um longo hiato de seis anos provocado por lesões que lhe ameaçaram a carreira. E com o bronze no triplo salto dos recentes Mundiais de pista coberta, aos 33 anos, o agora pupilo do cubano Iván Pedroso igualou o meio-fundista Rui Silva num feito particular: o de atleta português com maior longevidade em pódios internacionais, onze anos depois de ter ganho a sua primeira medalha sénior com o título mundial de 2007, aos 23 anos. O mesmo período de tempo que passou entre a primeira medalha de Rui Silva (título europeu de 1500 metros em pista coberta, em 1998, com 20 anos) e a última (em 2009, com 31 anos, no seu terceiro título de campeão europeu de 1500 metros indoor).

Mais rápida foi Fernanda Ribeiro, que concentrou as suas 12 medalhas no espaço de seis anos, entre o ouro nos 3000 metros dos Europeus de pista coberta de 1994 e o bronze nos 10 000 metros dos Jogos Olímpicos de Sydney 2000. Agora dedicada à academia com o seu nome que gere no Estádio Municipal da Maia, a campeã olímpica de Atlanta"96 diz ao DN ter consciência de que se mantém como a atleta portuguesa com mais medalhas em grandes competições, feitos que recorda naturalmente "com saudade", mas acredita que Nelson Évora ainda pode chegar à sua marca de 12 pódios e incentiva mesmo o saltador do triplo a perseguir essa fasquia.

"O Nelson ainda está a competir e está a fazer bem o seu trajeto. É um grande atleta, passou por muitas lesões, já lhe deram a carreira por terminada - como aconteceu também comigo -, mas ele conseguiu voltar ao topo. Acredito que ainda pode ir aos próximos Jogos Olímpicos de Tóquio, aliás, ele já disse que esse é o objetivo, e até lá pode chegar a esse recorde", refere Fernanda Ribeiro, que incentiva o saltador a manter a ambição que o tem alimentado. "Ainda fui colega dele na seleção. Ele sabe que lhe desejo sempre o melhor. Que bata o meu recorde seria bom sinal, os recordes são para ser batidos. Ele ou outros, mas não vejo mais ninguém com essa possibilidade."

A ex-corredora confessa, de resto, seguir os grandes campeonatos atuais com alguma nostalgia. "É muito diferente em relação ao tempo em que eu corria. As corridas agora são muito táticas. Eu nunca deixava as corridas desenrolarem-se assim tão táticas", nota, lamentando o empobrecimento do meio-fundo português: "Ainda agora [no Mundial de pista coberta] não tivemos ninguém a competir no meio-fundo. No meu tempo tínhamos problemas para ver quem era selecionado, agora não temos ninguém para ir lá."

---

TABELA

Fernanda Ribeiro 12
Ouro JO 1996, CM 1995, CE 1994, CEpc 1994, CEpc 1996
Prata CM 1995, CM 1997, CE 1998, CEpc 1998
Bronze JO 2000, CM 1997, CMpc 1997

Rui Silva 10
Ouro CMpc 2001, CEpc 1998, CEpc 2002, CEpc 2009
Prata CE 1998, CMpc 2004, CEpc 2000
Bronze JO 2004, CM 2005, CE 2002

Naide Gomes 10
Ouro CMpc 2004, CMpc 2008, CEpc 2005, CEpc2007
Prata CE 2006, CE 2010, CMpc 2006, CMpc 2010, CEpc 2002, CEpc 2011

Nelson Évora 9
Ouro JO 2008, CM2007, CEpc 2015, CEpc 2017
Prata CM2009
Bronze CM 2015, CM 2017, CMpc 2008, CMpc 2018

Carla Sacramento 7
Ouro CM 1997, CEpc 1996;
Prata CE 1998, CMpc 1995, CEpc 2002
Bronze CM 1995, CEpc 1994

Rosa Mota 6
Ouro JO 1988, CM 1987, CE 1982, CE 1986, CE 1990
Bronze JO 1984

Francis Obikwelu 6
Ouro CE 2002, CE 2006 (100 e 200), CEpc 2011
Prata JO 2004, CE 2002

Manuela Machado 5
Ouro CM 1995, CE 1994, CE 1998
Prata CM 1993, CM 1997

Sara Moreira 5
Ouro CE 2016, CEpc 2013;
Prata CE 2010, CE 2012, CEpc 2009

Jéssica Augusto 4
Prata CE 2010;
Bronze CE 2010, CE 2014, CE 2016

Patrícia Mamona 3
Ouro CE 2016;
Prata CE 2012, CEpc 2017

Carlos Calado 3
Prata CEpc 1998;
Bronze CM 2001, Cmpc 2001,

Carlos Lopes 2
Ouro JO 1984
Prata JO 1976

João Campos 2
Ouro CMpc 1985
Bronze CEpc 1986

Dulce Félix 2
Ouro CE 2012
Prata CE 2016

João Vieira 2
Prata CE 2010
Bronze CE 2006

Susana Feitor 2
Bronze CM 2005, CE 1998

Mário Silva 2
Bronze CE 1990, CMpc 1991

Inês Henriques 1
Ouro CM 2017

António Pinto 1
Ouro CE 1998

Domingos Castro 1
Prata CM 1987

Conceição Ferreira 1
Prata CE 1994

António Leitão 1
Bronze JO 1984

Tsanko Arnaudov 1
Bronze CE 2016

============Normal (16314768)============
JO - Jogos Olímpicos; CM - Campeonato do Mundo; CE - Campeonato da Europa; CMpc - Campeonato do Mundo de pista coberta; CEpc - Campeonato da Europa de pista coberta

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.