Nélson Évora fica à frente de Pichardo no meeting de Madrid

No primeiro duelo de rivais, o saltador do Sporting fez a segunda melhor marca mundial do ano. O cubano do Benfica foi terceiro

O sportinguista Nélson Évora levou ontem a melhor sobre o benfiquista Pablo Pichardo no primeiro duelo entre os saltadores enquanto atletas dos rivais de Lisboa. Foi no meeting de pista coberta de Madrid, no qual o internacional português terminou o concurso do triplo salto no segundo lugar com 17,30 metros, atrás do brasileiro Almir dos Santos, que fez a melhor marca do ano (17,35m). O cubano do Benfica ficou no terceiro posto com um salto de 17,01 metros.

O salto de Nélson Évora ficou a apenas dois centímetros do seu recorde nacional em pista coberta, ainda assim o atleta fica desde já com a segunda melhor marca de 2018. Enquanto isso, Pichardo ficou bastante abaixo do seu recorde pessoal, que é de 17,32 metros.

Este foi só o primeiro de muitos duelos entre os dois saltadores, que a nível de clubes terão uma luta mais particular nos campeonatos nacionais de atletismo.

Nélson Évora trocou a Luz por Alvalade de forma surpreendente, após os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016. Para trás ficaram doze anos de águia ao peito, durante os quais foi o capitão e símbolo do atletismo do clube e do Projeto Olímpico. Em Alvalade foi apresentado pelo presidente Bruno de Carvalho com pompa e circunstância no intervalo de um jogo da equipa de futebol com o Tondela.

Para tentar colmatar a saída do melhor saltador português do triplo salto, o Benfica contratou Pichardo em abril de 2017, um dos poucos atletas do mundo que conseguiu saltar acima dos 18 metros em pista ao ar livre. Os encarnados aproveitaram o facto de o saltador estar em litígio com a seleção cubana para garantir o seu concurso. Pichardo adquiriu entretanto a nacionalidade portuguesa, tendo ontem competido pela primeira vez nessa qualidade, depois de um período de inatividade devido ao castigo imposto pela federação cubana, mas também devido a lesões.

Está desde já marcado novo duelo entre ambos, para este fim-de-semana, em Pombal, onde se disputam os Campeonatos de Portugal em Pista Coberta. Este será o primeiro confronto entre ambos ao serviço dos respetivos clubes. Nos dias 17 e 18 de fevereiro, prevê-se novo confronto, uma vez que se realiza também em Pombal, a final do Campeonato Nacional de Clubes em pista coberta.

Para já, Nélson Évora ganhou o primeiro round, mas a época ainda está agora a começar e lá mais para o verão inicia-se a temporada de atletismo ao ar livre.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.