Nassar condenado a uma terceira pena que pode ir até 125 anos

O antigo médico da seleção norte-americana de ginástica foi, neste segunda-feira, condenado a uma terceira pena de 40 a 125 anos de prisão

Larry Nassar, de 54 anos, foi condenado no início do mês a uma pena de 40 a 175 anos de prisão num outro processo separado e num outro caso, em dezembro de 2017, foi igualmente condenado a 60 anos de prisão por crimes de pornografia infantil.

Este último processo a Larry Nassar, que já enfrenta o resto da vida na prisão, decorreu em Eaton, no Michigan, e incidiu nos assaltos sexuais cometidos pelo médico no Twistars USA Gymnastics Club, um ginásio para ginastas de elite.

Durante a sessão de sexta-feira, o pai de duas das vítimas tentou agredir Larry Nassar, após ouvir o depoimento das filhas, acabando por ser imobilizado pelas forças de segurança antes de conseguir consumar a agressão.

Mais de 260 mulheres e meninas dizem que Larry Nassar abusou sexualmente delas sob o pretexto de tratamento médico. Algumas das mulheres dizem que o abuso ocorreu há várias décadas.

Larry Nassar admitiu que molestou meninas e mulheres jovens durante o tempo em que trabalhou na Michigan State University e na equipa olímpica dos EUA, que prepara os atletas para os Jogos Olímpicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.