Nápoles celebra 30.º aniversário do primeiro título

A equipa napolitana celebrou o seu primeiro título com um desfile de autocarro dos campeões de 1987, sem contar com a presença do ídolo do clube Diego Maradona

O Nápoles celebrou esta quarta-feira o 30.º aniversário do primeiro título da liga italiana de futebol com um desfile de autocarro dos campeões de 1987 em que não participou Diego Maradona.

O desfile terminou num encontro com o autarca da cidade, Luigi De Magistris, e contou com muitos dos protagonistas de 1987, como o 'capitão' Giuseppe Bruscolotti ou o avançado Bruno Giordano, ainda que o argentino Maradona, ídolo em Nápoles, não tenha estado presente, poucos dias depois de ser anunciado como treinador do Al Fujairah, da segunda divisão dos Emirados Árabes Unidos.

Ainda assim, 'El Pibe', considerado um dos melhores futebolistas de todos os tempos, foi aclamado pelas ruas da cidade por milhares de adeptos que acompanharam o desfile.

O Nápoles, que só viria a ser campeão italiano mais uma vez, em 1989/90, celebrou os vencedores de 1987 no Palácio San Giacomo pelo presidente do município.

"Desde hoje até ao próximo verão, teremos muitos eventos para lembrar este dia. Tinha 20 anos [em 1987] e lembro-me, esse Nápoles jogava futebol de vanguarda", recordou o autarca.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.