Nápoles celebra 30.º aniversário do primeiro título

A equipa napolitana celebrou o seu primeiro título com um desfile de autocarro dos campeões de 1987, sem contar com a presença do ídolo do clube Diego Maradona

O Nápoles celebrou esta quarta-feira o 30.º aniversário do primeiro título da liga italiana de futebol com um desfile de autocarro dos campeões de 1987 em que não participou Diego Maradona.

O desfile terminou num encontro com o autarca da cidade, Luigi De Magistris, e contou com muitos dos protagonistas de 1987, como o 'capitão' Giuseppe Bruscolotti ou o avançado Bruno Giordano, ainda que o argentino Maradona, ídolo em Nápoles, não tenha estado presente, poucos dias depois de ser anunciado como treinador do Al Fujairah, da segunda divisão dos Emirados Árabes Unidos.

Ainda assim, 'El Pibe', considerado um dos melhores futebolistas de todos os tempos, foi aclamado pelas ruas da cidade por milhares de adeptos que acompanharam o desfile.

O Nápoles, que só viria a ser campeão italiano mais uma vez, em 1989/90, celebrou os vencedores de 1987 no Palácio San Giacomo pelo presidente do município.

"Desde hoje até ao próximo verão, teremos muitos eventos para lembrar este dia. Tinha 20 anos [em 1987] e lembro-me, esse Nápoles jogava futebol de vanguarda", recordou o autarca.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.