Nápoles celebra 30.º aniversário do primeiro título

A equipa napolitana celebrou o seu primeiro título com um desfile de autocarro dos campeões de 1987, sem contar com a presença do ídolo do clube Diego Maradona

O Nápoles celebrou esta quarta-feira o 30.º aniversário do primeiro título da liga italiana de futebol com um desfile de autocarro dos campeões de 1987 em que não participou Diego Maradona.

O desfile terminou num encontro com o autarca da cidade, Luigi De Magistris, e contou com muitos dos protagonistas de 1987, como o 'capitão' Giuseppe Bruscolotti ou o avançado Bruno Giordano, ainda que o argentino Maradona, ídolo em Nápoles, não tenha estado presente, poucos dias depois de ser anunciado como treinador do Al Fujairah, da segunda divisão dos Emirados Árabes Unidos.

Ainda assim, 'El Pibe', considerado um dos melhores futebolistas de todos os tempos, foi aclamado pelas ruas da cidade por milhares de adeptos que acompanharam o desfile.

O Nápoles, que só viria a ser campeão italiano mais uma vez, em 1989/90, celebrou os vencedores de 1987 no Palácio San Giacomo pelo presidente do município.

"Desde hoje até ao próximo verão, teremos muitos eventos para lembrar este dia. Tinha 20 anos [em 1987] e lembro-me, esse Nápoles jogava futebol de vanguarda", recordou o autarca.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.