"Não te preocupes, ele não tem escolha, vou fazê-lo reconsiderar e ele vai pagar"

Televisão francesa M6 revelou escutas em que Benzema fala com um amigo sobre Valbuena

A televisão francesa M6 revelou esta quinta-feira parte de uma conversa entre o futebolista Karim Benzema e um dos supostos chantagistas do jogador Mathieu Valbuena, um homem chamado Karim Z., identificado como amigo de infância do jogador do Real Madrid.

Nas escutas, de acordo com a televisão francesa, Benzema chega a dizer: "Não te preocupes, ele não tem escolha, vou fazê-lo reconsiderar e ele vai pagar". Karim Z., segundo a televisão, tem cadasttro, tendo sido condenado por roubo em 2006.

A conversa terá sido gravada depois de Benzema ter falado com o jogador Lyon, a vítima, numa concentração da seleção francesa - uma conversa em que lhe terá dito para pagar para não ver o vídeo de cariz sexual divulgado.

Falta apurar, no entanto, se Benzema teve a intenção de ajudar o amigo Valbuena ou os chantagistas. Há uma frase em que Benzema diz: "Estamos aqui para o ajudar a solucionar o problema. Se ele não quer é problema dele. Ele que se entenda com essas piranhas."

O camisola 9 do Real Madrid foi detido na quarta-feira para prestar declarações sobre o caso, tendo saído esta quinta-feira, acusado de cumplicidade na chantagem. Benzema está ainda proibido de se aproximar do jogador do Lyon.

Entretanto, o jogador voltou a Madrid e já treinou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.