"Não podia esperar menos do Sporting". Boeck agradece apoio

"Foi um baque muito grande", disse em entrevista à imprensa brasileira

Marcelo Boeck, o guarda-redes brasileiro que saiu do Sporting para jogar com o Chapecoense na última época, agradeceu esta quarta-feira o apoio que recebeu de todos, e especialmente o dos adeptos do clube leonino.

O futebolista escapou ao acidente de aviação por não ter sido convocado para a final da Taça Sul Americana, que se iria realizar na Colômbia. No Instagram, descreveu o momento como "difícil" e agradeceu as "milhares de mensagens de carinho, de apoio, de consolo".

"Não podia esperar menos de adeptos e do grande Sporting Clube de Portugal", continuou Marcelo Boeck, que publicou uma fotografia da camisola do clube leonino com o emblema do Chapecoense.

O guarda-redes deixou ainda uma mensagem de apoio às famílias dos colegas que morreram no acidente e pediu que todos valorizem mais a vida e a família. "Ontem poderia ter sido o primeiro dia que meus filhos acordariam sem o seu pai para sempre. Como é triste saber que as famílias dos meus companheiros vão passar por isso, mulheres sem maridos, filhos sem pais!!!", escreveu Boeck.

"Que possamos amar mais os nossos, beijar mais, respeitar mais, conversar mais, abraçar mais", continuou o jogador.

Em entrevista à imprensa brasileira, Boeck recordou que acordou com o telefone às três horas da manhã, que depois não mais parou de tocar. "Eram meus familiares ligando. Eu dizia 'alô' e todos diziam "Graças a Deus você atendeu". Quando liguei a televisão, vi as primeiras imagens, com pouquíssimas informações, foi um baque muito grande", disse em entrevista ao Show dos Esportes.

Na mensagem de apoio publicada ontem pelo Sporting, o clube deixava "um abraço especial" para Marcelo Boeck, escrevendo no final "Força, Leão".

O acidente de aviação que matou grande parte dos jogadores, equipa técnica e comitiva do Chapecoense, ocorreu esta terça-feira. Morreram 71 das 77 pessoas que iam a bordo do avião.

Entre os sobreviventes está o guarda-redes Jackson Follmann que teve, no entanto, a sua perna amputada na sequência do acidente.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.