Nani espera Letónia "confiante" e relativiza cansaço

O extremo Nani afirmou esta terça-feira esperar uma Letónia "mais confiante", no encontro de qualificação para o Mundial2018, e assegurou que os jogadores da seleção portuguesa de futebol não estão preocupados com o eventual cansaço neste final de temporada.

"Esperamos uma Letónia mais confiante, jogando em casa. Sabemos que vai ser um jogo difícil para nós e já no jogo cá [4-1] complicaram-nos muito a tarefa. Marcámos o primeiro golo na primeira parte, mas os restantes vieram todos muito mais tarde. Não há jogos fáceis", afirmou Nani, em conferência de imprensa, antes de mais um treino de Portugal, na Cidade do Futebol, em Oeiras.

O jogador do Valência minimizou a possível fadiga de final de época, numa altura em que a seleção nacional vai discutir mais um jogo de apuramento para o Mundial, antes de partir para a Rússia, onde vai disputar a Taça das Confederações.

"Alguns jogadores têm tido poucas férias e eu sou um deles, graças a Deus, porque é sinal que estou presente nessas competições. Nós, jogadores, não devemos pensar no cansaço. Devemos, sim, pensar que fomos escolhidos. Tendo menos tempo de descanso, o rendimento pode ser prejudicado na próxima temporada, mas, quando se ganha, o cansaço fica para trás", vincou.

Nani, que é o quarto futebolista luso mais internacional de sempre (107 presenças na seleção A), atrás de Cristiano Ronaldo, Luís Figo e Fernando Couto, voltou a referir que não se sente um indiscutível no 'onze' luso.

"Compete-me trabalhar todos os dias da mesma maneira e esperar por uma oportunidade. O meu lugar não está garantido nesta equipa. Cabe-me esforçar todos os dias para poder jogar", disse.

O extremo, de 30 anos, espera, por outro lado, que Cristiano Ronaldo chegue com confiança máxima à seleção portuguesa, depois de no sábado ter conquistado a Liga dos Campeões, ao serviço do Real Madrid, numa final em que os 'merengues' bateram a Juventus, por 4-1, com dois tentos do capitão da seleção nacional.

"Antes do jogo, estávamos a torcer pelos nossos portugueses. É sempre bom ter um companheiro com muito sucesso como ele. Que traga muita alegria para nos transmitir", afirmou.

Já no que diz respeito à primeira época ao serviço dos espanhóis do Valência, Nani considerou ter sido uma "boa experiência", apesar do desempenho abaixo das expectativas dos 'ché', que ficaram em 12.º lugar na Liga espanhola.

"Não foi das melhores temporadas, mas estou muito satisfeito. Era algo que queria. A experiência foi boa, apesar de algumas lesões que tive pelo caminho, devido ao esforço da temporada passada. Encontrei um bom clube, um bom campeonato e pude desfrutar de muitos jogos. Gostei de estar lá e acredito que a próxima temporada será muito melhor", adiantou.

Na quarta-feira, a formação lusa viaja para Riga, onde dois dias depois defronta a Letónia, em jogo da sexta jornada do grupo B da zona europeia de qualificação para o Mundial2018.

A seleção nacional, campeã europeia em título, vai depois participar na Taça das Confederações, que vai decorrer de 17 de junho a 02 de julho, na Rússia.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.