Nani diz querer ser "feliz mais uma vez", agora pelo Valência

Apresentação do internacional português contou com mais de 10 000 adeptos do Valência

O internacional português Nani disse esta quinta-feira que vai tentar ser "feliz mais uma vez" no Valência, depois de ter contribuído para que a seleção portuguesa se tornasse campeã da Europa de futebol.

"O campeonato europeu foi fantástico, foi uma experiência única, são sentimentos únicos, foi uma conquista que vai ficar para a história. Agora há muito trabalho pela frente, há novas etapas para desempenhar, outros objetivos para tentar conquistar. Neste momento estou muito feliz por estar no Valência e vou tentar ser feliz mais uma vez, como fui pelo meu país e por outros clubes por onde já passei", disse, na sua apresentação oficial como jogador do clube espanhol.

De resto, Nani frisou que, apesar de ter participado ativamente na conquista do título Europeu, essa conquista não o fará "relaxar".

"Muita gente pensa que quando saímos campeões de uma competição como o campeonato europeu a seguir vamos relaxar. Não é esse o meu pensamento. Venho com muita vontade e muita ambição de ajudar o clube", sublinhou.

Esclarecendo que integrará formalmente a equipa no dia 01 de agosto, Nani afirmou que escolheu o Valência, "um clube com grande potencial", por considerar que seria "a melhor opção" na atual fase da sua carreira.

Questionado sobre a reação de Cristiano Ronaldo à notícia da sua transferência para o clube espanhol, Nani afirmou que o jogador do Real Madrid lhe deu "os parabéns".

"Quando soube que eu ia para o Valência, o Ronaldo deu-me os parabéns, disse-me que eu ia gostar, que o Valência é um clube bom, que a liga era muito boa e eu me ia sentir muito bem aqui", confidenciou.

Sobre o lugar que lhe estará reservado em campo pelo Valência, Nani afirmou que já jogou "na frente em todas as posições".

"Por isso, seguramente que me vou sentir bem em qualquer posição em que o treinador decida colocar-me", comentou.

Afirmando ter hoje "a mesma ambição e a mesma vontade de ganhar" de sempre, o jogador português disse esperar poder contribuir para que "o mais rápido possível" o Valência "volte ao seu nível e esteja nas competições europeias e a lutar pelos primeiros lugares da tabela".

O futebolista internacional português, de 29 anos, assinou pelo Valência por três temporadas, proveniente da equipa turca do Fenerbahçe.

Depois de fazer toda a sua formação no Real Massamá e no Sporting, o extremo, à semelhança de Cristiano Ronaldo, foi contratado pelo Manchester United, em 2007/08, clube no qual se manteve até à chegada do holandês Louis van Gaal.

O técnico, que tinha levado a Holanda ao terceiro lugar no Mundial de 2014, não contou com o jogador, que acabou por ser emprestado ao Sporting, naquele que foi então um regresso de Nani a 'casa'.

Na temporada seguinte, o Fenerbahçe, que contava então com o técnico Vítor Pereira, viu chegar Nani, que se juntou aos também internacionais portugueses Bruno Alves e Raul Meireles.

No seu currículo, Nani conta com uma Liga dos Campeões, no Manchester United, um título mundial de clubes, e quatro ligas inglesas, tudo ao serviço dos 'red devils', o clube que representou mais tempo, durante sete épocas.

No Sporting, o jogador conquistou duas vezes a Taça de Portugal, em 2007 e 2015.

No Euro2016, Nani foi uma das apostas do selecionador Fernando Santos, tendo sido, juntamente com Rui Patrício, o jogador que mais minutos esteve em campo ao serviço da seleção.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.